DA REDAÇÃO: Fundamentos sólidos não devem assustar mercado baixo desta sexta-feira em N. York

Publicado em 08/07/2011 18:52 e atualizado em 08/07/2011 19:44 621 exibições
Café: mesmo com queda acentuada nesta sexta-feira em N. York, fundamentos são sólidos para puxar novas altas. Cecafé divulga dados de exportação sobre uma temporada 2010 histórica para o Brasil.

Apesar da forte queda registrada nesta sexta-feira (08) na Bolsa de Nova York, a falta de café de qualidade no mundo é fundamento suficiente para manter os preços e até puxar novas altas futuramente. Segundo a CeCafé (Conselho de Exportadores de Café), o Brasil bate recorde histórico em volume exportado.

Do ano safra de 2010, foram cerca de 35 milhões de sacas exportadas e, como afirma o consultor de mercado, Eduardo Carvalhaes, confirmado pela alta significativa dos preços, o volume não foi suficiente para suplantar os estoques internacionais. Assim, a situação continua apertada.

A verdade é que o mundo espera o produto brasileiro que este ano será colhido em menor quantidade já que a cultura trabalha em um ano de bianualidade. A expectativa então é de preços pressionados para a alta. O temor do mercado está apenas voltado para a situação financeira da Europa, Estados Unidos e Japão, principais economias que tem a força para desacelerar a demanda.

No Brasil, a safra desta temporada se desenvolve bem e os cafezais não correm riscos climáticos, segundo apontam previsões meteorológicas. Carvalhaes aposta em ótima qualidade para os grãos, suficientes inclusive para reforças os mercados consumidores internacionais do produto brasileiro.

Em números, esta safra deve ter produção em torno de 43 milhões de toneladas e mesmo assim, as projeções indicam oferta insuficiente para atender a demanda já existente. E o consultor aposta em um mercado ainda mais apertado entre os meses de novembro e dezembro, consequentemente, novos preços podem ser praticados pelos cafeicultores que tiverem a disponibilidade de produto para comercializar.

Por:
João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário