DA REDAÇÃO: Suinocultura começa a se recuperar com reabertura do mercado russo

Publicado em 11/07/2011 13:56 e atualizado em 11/07/2011 18:31 353 exibições
Suínos: mercado começa a se recuperar. Saída de criadores das vendas e volta das exportações para a Rússia devem pressionar ainda mais os preços para cima. Faltam animais para abate.
O estado de Santa Catarina registra uma forte elevação no preço dos suínos. O quilo do animal vivo passou de R$ 1,80 no último dia 4 para R$ 2,10 nesta segunda-feira (11). Isso demonstra uma tendência de alta no mercado, graças a vários fatores. O principal deles foi a decisão da retomada de compras do mercado russo, cujo embargo à importação de carnes brasileiras havia ocorrido há um mês.

De acordo com Losivanio de Lorenzi, presidente da ACCS - Associação Catarinense de Criadores Suínos -, com o anúncio do embargo, muitos produtores grandes de suínos, do mercado independente, resolveram abandonar a suinocultura durante o auge da crise. Isso fez com que os preços subissem agora. “Os frigoríficos estão se dando conta do volume de animais que está faltando no mercado”, diz.

Apesar dos bons preços atuais, os produtores tiveram muitos prejuízos a partir do aviso de embargo, no final de maio deste ano. O mercado que antes estava forte em Santa Catarina, com o quilo do animal vivo valendo R$ 2,00, se deparou com os preços despencando. Somente a notícia do possível embargo da Rússia fez com que o quilo caísse para R$ 1,90. Com a confirmação, atingiu R$ 1,80.

O período foi de especulação e muita ausência de informações. “Nós perdemos pela falta de transparência, pela parte do governo, das indústrias.”, diz Lorenzi. Assim, a suinocultura teve redução no preço, embora não tenha sofrido nenhuma queda nas exportações, “os volumes foram feitos pra um ou outro país”, conta Lorenzi.
Por:
João Batista Olivi e Fernanda Cruz
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário