DA REDAÇÃO: Com clima adverso e temor no mercado financeiro, cotações caem em Chicago

Publicado em 14/07/2011 13:39 e atualizado em 14/07/2011 17:12 363 exibições
Grãos: clima adverso devolve os ganhos da quarta-feira em Chicago. Situação econômica dos Estados Unidos põe investidores temerosos quanto às compras. Indefinição climática traz volatilidade ao mercado.

O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, pediu nesta quinta-feira (14) ao Congresso que aprove o aumento do empréstimo nacional para evitar que os Estados Unidos entre em moratória. Assim, o mercado financeiro trabalha de mal humor e, somado ao clima adverso sobre a safra norte-americana, derruba as cotações na Bolsa de Chicago (CBOT).

Direto de Nova Iorque, o analista da Newedge Corretora, Daniel D’Avilla conta que para a população do país, a situação econômica em crise não reflete no cotidiano das suas vidas, mas sim que a preocupação recai diretamente sobre os investidores que se sentem expostos ao risco e vendem suas posições compradas nas bolsas internacionais.

Para ele, a situação é mais uma briga política entre democratas e republicanos e que não há espaço para a principal economia do mundo ter o rebaixamento da sua dívida.

Assim, o pregão diurno na CBOT trabalha com o milho devolvendo os expressivos ganhos da última quarta-feira. Já a soja opera em terreno misto, pois, segundo Daniel, pouco ganhos ontem para ser perdido hoje. O suporte para os mercados está na adversidade climática para os próximos dias para as lavouras norte-americanas.

Há um anel de alta pressão sobre a região do cinturão de grãos que deixa o clima mais seco e quente, muito prejudicial para o desenvolvimento das plantas. O que o mercado espera é a confirmação desta previsão nos próximos 15 anos e, enquanto isso, muita volatilidade impera sobre o mercado e sustenta as cotações em patamares onde a demanda volta a aparecer.

Por:
João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário