DA REDAÇÃO:Risco de perda de produtividade da safra norte-americana eleva cotações em Chicago por conta da adversidade climática

Publicado em 19/07/2011 13:40 e atualizado em 19/07/2011 17:16 322 exibições
Grãos: clima quente e seco no Corn Belt norte-americano tira umidade da terra e colabora para alta nesta terça-feira em Chicago, pelo risco climático. Previsão de chuvas para final da semana não é suficiente para evitar possíveis perdas na produtividade.

As temperaturas na região do cinturão de grãos dos Estados Unidos oscilam entre 35 e 38°C e o clima quente e seco está tirando do solo a umidade que não chega com as chuvas. Diante desse cenário, o complexo de grãos na Bolsa de Chicago opera em alta nesta terça-feira. Sem previsão de chuvas para até o final de semana, o mercado trabalha acrescentando risco climático sobre possíveis perdas na produtividade da safra e a tendência é de alta para os preços no curto-prazo.

Direto de Nova Iorque, o analista da Newedge Corretora, Vinicius Ito, confirma que a situação é de extrema preocupação para com o desenvolvimento dos grãos, especialmente do milho que passa pelo seu enchimento agora no mês de julho. Não menos atenção também está para a soja que necessita de umidade nas plantas para encher grãos em agosto.

Segundo a meteorologia do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, a situação de chuvas deve acontecer apenas no final desta semana no norte do Corn Belt e avança, talvez, para a parte leste. Ou seja, a abrangência é insuficiente para mudar o cenário climático da produção.

Já na última semana, o USDA diminuiu a condição boa e excelente para as lavouras de milho em 3%, acima do que o mercado aguardava (1%). Para Ito, os números que o departamento irá divulgar no próximo relatório sobre as condições devem cair ainda mais. É urgente a necessidade de chuvas para aliviar o estresse do solo até o final do mês.

Perda na safra norte-americana significa para o momento menor oferta de grãos para o mundo, uma vez que os estoques estão muito baixos e a comercialização trava entre os produtores temerosos. A possibilidade de ter uma temporada com baixa produtividade eleva os preços e sustenta o mercado dos grãos.

Enquanto isso, a saca de 60 quilos do milho é comercializada à média de R$ 28,50 nos portos brasileiros.

Por:
João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário