DA REDAÇÃO: Diante da volatilidade do mercado, tendência para preços é de alta em Chicago e no Brasil

Publicado em 21/07/2011 13:46 e atualizado em 21/07/2011 17:37 457 exibições
Grãos: muita volatilidade no pregão diurno desta quinta-feira em Chicago. A soja se descola do milho e busca sustentação no patamar de US$ 14,00/bu. Cereal corrige ganhos, mas tendência é de alta com possível quebra na produtividade dos Estados Unidos.

A volatilidade da incerteza climática no cinturão de grãos dos Estados Unidos faz os preços oscilarem nesta quinta-feira (21) na Bolsa de Chicago. Mas, trabalhando em terreno misto, a soja começa a se sustentar em seu próprio patamar à beira dos US$ 14,00 por bushel, contra o milho que perdeu mais de 20% do seu valor desde a projeção baixista do Departamento de Agricultura norte-americano divulgada no final de junho passado.

Apesar da fraqueza na demanda chinesa pela oleaginosa, o fundamento de que os estoques mundiais são baixos e a expectativa na colheita de uma safra normal sustenta o mercado. Já o milho não sabe a dimensão sobre suas perdas em produtividade na temporada, mas que o volume a ser colhido tende a não suportar a demanda para a produção de etanol, ração animal e abastecimento interno e mundial.

Segundo Carlos Cogo, consultor da Consultoria Agroeconômica, é possível que o excedente de milho exportado dos Estados Unidos para a China seja reduzido, na proporção de que a demanda para etanol e ração animal crescem juntos no mercado interno norte-americano.Diante disso, os asiáticos tenderão a negociar o cereal do Brasil e da Argentina.

No Brasil, as chuvas atrapalham a colheita da safrinha no Paraná que faz as espigas brotar no pé. Ou seja, já há sinais de que novas perdas serão calculadas nesta temporada de inverno, somadas com o déficit causado pela estiagem de março e a geada de junho.

Por outro lado, a demanda mundial aspira aumento nas safras de verão tanto para o milho quando para a soja que pode crescer até 6%. A tendência para o mercado interno é de alta, com a quebra na safrinha do cereal regulando o mercado exportador e o interno, enquanto que a soja já registra ganhos e podo registrar mais se o sojicultor continuar sabendo comercializar seu grão, afirma Cogo.

Por:
João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário