DA REDAÇÃO: Pressão negativa pode voltar ao mercado do boi gordo em meados de setembro com aumento de animais confinados

Publicado em 25/08/2011 12:27 e atualizado em 25/08/2011 17:20 621 exibições
Boi: Atenção pecuarista! Analista alerta para novos dados divulgados sobre confinamento, mostrando números bem próximos ao recorde de 2008. A situação pode se complicar a partir da segunda quinzena de setembro, com uma maior concentração de oferta de animais.
Mercado do boi gordo segue estável na maior parte das praças pecuárias, com poucas movimentações nesta quinta-feira. Em São Paulo, o preço da arroba continua sustentado ao redor dos R$ 98/@.

O analista de mercado da Cross Investimentos, Caio Junqueira, acredita que na próxima semana o mercado já deva estar mais posicionado. A expectativa é de que haja reação de até dois reais nos preços da arroba até o dia 10 de setembro com o aumento da demanda por carnes. A partir daí, a pressão negativa pode retornar com a expectativa de aumento na desova de animais de confinamento. "Se não é pressão baixa, seria no mínimo de estabilidade de preços do dia 10 para frente", acredita.

De acordo com o levantamento feito pela BeefPoint de Confinamentos, a expectativa é de aumento de 32,6% no número de boi confinados em 2011, para 1,588 milhão de cabeças, apesar dos custos elevados dos insumos. O número se aproxima ao recorde de 2008. Sendo assim, a situação pode se complicar a partir da segunda quinzena de setembro, com uma maior concentração de oferta. "O pecuarista não pode tapar o sol com a peneira, deve levar a pesquisa em consideração", alerta.

Para evitar prejuízos, Junqueira recomenda que o produtor se atente ao andamento do mercado nos próximos meses, inclusive aos patamares de preços futuros, não descartando, entretanto, a possibilidade do hedge. "Tomar cuidado com expectativa muito otimista para os preços. A gente tem que olhar a bolsa, precisa tentar se proteger e se prevenir dos possíveis recuos dos preços", conclui.

Por:
Aleksander Horta e Marília Pozzer
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário