DA REDAÇÃO: Apesar de chuvas localizadas, Goiás começa o plantio da nova safra esta semana

Publicado em 04/10/2011 13:59 e atualizado em 04/10/2011 16:59 249 exibições
Safra 2011/12: chuvas localizadas no final de semana dão início ao plantio em Goiás. Produtores que comercializaram parte da safra antecipadamente têm fôlego para esperar melhora na situação econômica do mundo para retomada dos preços em Chicago.

 

Enquanto a colheita da safra nos Estados Unidos aponta para uma produtividade acima das perdas calculadas por analistas do mundo, aliada a crise financeira que assola a Zona do Euro, os preços do complexo de grãos na Bolsa de Chicago desabam nesta terça-feira (04). No Brasil, as chuvas no Centro-Sul do país começam a umedecer os solos para que produtores deem o pontapé inicial na semeadura da safra 2011/12.

Esta temporada começa com o diferencial de que, pelo menos 25% dos agricultores brasileiros já comercializaram antecipadamente sua produção através de negócios no mercado futuro, quando os preços atingiram picos excelentes na média da rentabilidade de cada um há cerca de quase dois meses. Só no Mato Grosso, calcula-se cerca de 48% da safra comercializada, tanto de milho quanto de soja.

Segundo o presidente da comissão de cereais, fibras e oleaginosas da Faeg (Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás), Flávio Faedo, as chuvas que chegaram no sábado ainda ocorrem de forma localizada em algumas regiões do Estado, mas não impede o início do plantio dos grãos já que a janela dos produtores é calculada para ter espaço para o cultivo da safrinha de verão em meados de fevereiro.

Diante do cenário internacional, o presidente da Faeg comemora a antecipação das vendas e alerta que o momento é de cautela para os brasileiros que devem esperar para voltar a vender no mercado.

A expectativa para assim que houver alguma solução para a crise financeira mundial é de que os preços voltem a subir, ainda em meio à colheita da safra brasileira, onde o produtor pode aproveitar novamente a tendência de ascensão dos preços para aumentar a renda. Para Faeda, apesar dos problemas econômicos, o cenário fundamental de aperto na oferta de grãos dos norte-americanos dá o suporte no longo prazo para as cotações internacionais.

Por:
João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário