DA REDAÇÃO: Preços do boi gordo continuam pressionados para alta diante do vácuo de oferta de confinamento e pasto

Publicado em 18/11/2011 12:52 e atualizado em 18/11/2011 16:35 565 exibições
Dificuldade na compra de animais terminados continua garantindo firmeza ao mercado do boi gordo. Oferta de pasto ainda é restrita, mesmo com o início da recuperação das pastagens diante da volta das chuvas em algumas regiões produtoras. Mercado de reposição segue parado. Mas cotação do bezerro já encontra suporte, puxada pelas altas do boi.
A dificuldade na compra de animais terminados continua garantindo firmeza ao mercado do boi gordo. O vácuo na oferta de confinamento e pasto dificulta a cada dia o preenchimento das escalas dos frigoríficos. As programações de abate continuam curtas em praticamente todas as praças pecuárias.

Em São Paulo os preços continuam sustentados para cima, com valores de balcão em torno de R$ 106 a R$ 107/@. Apesar do início da preparação das pastagens com o aumento das chuvas em algumas regiões produtoras, o boi terminado a pasto ainda não aparece de forma significativa a ponto de pressionar o mercado.

Os preços futuros na BM&F esboçam certa retração na sessão desta sexta-feira. De acordo com a analista  da Bigma Consultoria, Lygia Pimentel, o mercado indica a falta de suporte da demanda diante dos altos preços da carne no mercado atacadista. Além disso, o mercado futuro sofre certa influência do cenário macroeconômico que traz reflexos negativos diretos nos volumes de carnes embarcadas em função da crise financeira.

O mercado de reposição de bovinos está retomando a firmeza aos poucos, apesar da pequena movimentação. Ainda assim, o bezzero segue cotado para cima, influenciado pelas altas do boi gordo.

Por:
João Batista Olivi e Marília Pozzer
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário