DA REDAÇÃO: Deputado planeja novas emendas ao substitutivo de Jorge Viana a fim de evitar retaliação na Câmara

Publicado em 21/11/2011 13:56 e atualizado em 21/11/2011 18:35 538 exibições
Código Florestal: Deputado Luiz Carlos Heinze (PP-RS) deve propor mudanças ao substitutivo de Jorge Viana antes da votação de quarta-feira. Objetivo é moldar o projeto aos interesses dos produtores e evitar a retaliação na Câmara
O senador Jorge Viana (PT-AC) leu hoje (21) seu relatório sobre o projeto de lei do novo Código Florestal na Comissão de Meio Ambiente do Senado. Viana optou por apresentar um substitutivo global alterando vários pontos do texto que foi aprovado na Câmara dos Deputados. Diante disso, o Deputado Federal Luiz Carlos Heinze (PP-RS) pretende propor emendas ao novo texto junto ao deputado Valdir Colato (PMDB- SC) e colaboradores, a fim de aprimorar o projeto aos interesses dos produtores antes da votação de quarta-feira, 23. O objetivo também é evitar retaliação na Câmara dos Deputados.

O texto de Viana mantém a obrigação de recomposição de até 15 metros da mata ciliar para rios de até 100 metros de largura. Para Heinze este é um dos principais entraves para o produtor "Na forma em que segue o relatório hoje, produtores podem permanecer em instalações, residências, casas dentro dos 15 metros mas, a lavoura não vai poder prevalecer", enfatiza.

Em conversa com um agronômo do IRGA, Instituto Rio Grandense do Arroz, o deputado concluiu que muitas lavouras de arroz, instauradas em minifúndios de até 22 hectares nas proximidades do Rio Jacuí-RS, podem desaparecer por completo ao cumprirem as exigências de recomposição.

Outro fator preocupante gira em torno de áreas com declividades de 25 a 45 graus, contempladas com cultivo de fumo, hortigranjeiros, alho, beterraba, cenoura e flores, por exemplo. "Da forma como está o relatório, as culturas estão praticamente eliminadas. São dois pontos para nós extremamente importantes que já identificamos no relatório. Estaremos atentos.", garante.

Por:
João Batista Olivi e Marília Pozzer
Fonte:
Notícias Agrícolas

3 comentários

  • Michel de Oliveira Polido Ouro Verde do Oeste - PR

    No meu ponto de vista, essas mudanças todas acabam não beneficiando ninguem !!

    O produtor , como sempre sera prejudicado, e depois, que tipo de codigo que é esse que obriga o produtor a mundar, perder areas que produzem e que alimentas varias pessoas, sendo que o problema maior é as cidades, e por vista la o codigo não tera influencia nenhuma !!!!

    Para mim esses que tem a responsabilidade de decidir e votar , não passa de pessoas enteressadas nos proprios beneficios ou de outros maiores !!!!!!

    Isso pra ser educado !!

    0
  • Celso de Almeida Gaudencio Londrina - PR

    Deputado Luiz Carlos Heinze. Caso não atender a cana-de-açúcar estabelecida em área de preservação permanente no Domínio Ecológico Mata Atlântica, EMBRAPA, ECO 92 (mata costeira) há quinhentos anos, o Código Florestal não passará na Câmara. Outras culturas têm galopar na garupa.

    0
  • jorge casarin Santo Ângelo - RS

    É preciso ajustar alguma coisa, mas no geral melhorou um pouco, esqueceram de por no relatório a emenda do senador Acir Gurgas, referente ao pagamento por prestação de serviços ambientais para aqueles proprietários que desmataram menos da metade da área total, eu espero que tudo seja resolvido nos próximos dias, caso contrario vou ser obrigado a desmatar a mata, para produzir e gerar a renda que preciso, para o giro da propriedade e o bem estar de minha familia.

    0