DA REDAÇÃO: Presidente da Assocafé acredita na manutenção de bons patamares de preços por quatro anos

Publicado em 29/11/2011 13:35 e atualizado em 29/11/2011 15:36 212 exibições
Café: Produtores do oeste da Bahia devem ser diretamente beneficiados com a melhoria da gestão ambiental e dos recursos hídricos propostos na reforma da lei ambiental. Automatização do processo de licenciamento pode favorecer o aumento da área de cultivo no Estado.
Os cafeicultores do oeste da Bahia, após sofrerem por 10 anos com os preços baixos, vivem agora boas perspectivas, que incluem uma manutenção de bons rendimentos por um período de quatro anos, conforme previsão de João Lopes Araújo, presidente da Assocafé.

Com isso, a área plantada do produto deve crescer, pois os reflexos da melhora na renda dos produtores do grão já começam a ser sentidos. Nesse aspecto, a regularização das terras agrícolas, em contraste com o risco de redução das mesmas, tem papel relevante: “a Bahia precisa aproveitar os preços bons do mundo para aumentar a sua participação”, diz Araújo.

Além da questão da terra, outra preocupação dos cafeicultores baianos, sobretudo na produção do grão de alta qualidade, diz respeito à água. Ela é considerada insumo fundamental, visto que as chuvas caem na região somente durante seis meses do ano. Por isso, Araújo lembra que a outorga de água precisa ser renovada em benefício dos produtores rurais do estado.

Por:
João Batista Olivi e Fernanda Cruz
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário