Antecipação das compras do início do mês por causa do coronavírus e oferta restrita já alteram preços do feijão ao produtor

Publicado em 17/03/2020 14:11 e atualizado em 17/03/2020 19:11
2615 exibições
Dólar em alta eleva custo para o próximo plantio do feijão carioca mas abre oportunidade para variedades exportáveis
Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE

Podcast

Entrevista com Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE sobre o Mercado do Feijão

Download

LOGO nalogo

A tendência é que as referências dos feijões estabeleçam um novo patamar de preços em função da baixa oferta. Diante das preocupações com o avanço da doença, a população está demanda por alimentos essenciais, como é o caso do feijão, em que a demanda aumentou nos últimos dias. 

De acordo com o Presidente do  Instituto Brasileiro do Feijão e dos Pulses (IBRAFE), Marcelo Eduardo Lüders, na semana passada não tinha impacto do avanço da doença na demanda do feijão. “As coisas começaram a mudar na última quinta-feira e estão alterando rapidamente, mas até o momento houve uma procura maior por itens de higiene e limpeza”, comenta. 

A demanda por alimentos tem aumentado a cada dia visto que a população está buscando fazer estoques de alimentos caso fiquem muito tempo afastados. “Está havendo uma antecipação na compra que iria acontecer no final do mês, porém neste momento muda o canal de distribuição já que a população não vai se alimentar em restaurantes”, afirma. 

Como os preços do feijão estão valorizações em virtude da baixa oferta, é difícil afirmar que a disseminação da doença impactou nas negociações. “A safra de Santa Catarina foi menor  e os produtores já tinham negociado a saca a R$ 250,00. Só que muitos estão preferindo ficar com o produto e esperar para comercializar”, relata.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário