Se demanda chinesa por suínos do RS crescer, produtor terá que elevar peso de carcaça; por enquanto, Rússia lidera importações

Publicado em 22/04/2019 11:24 e atualizado em 22/04/2019 13:52
657 exibições
Enquanto é lançado nesta 2ª (22) a Frente Parlamentar da Sanidade, na Assembleia gaúcha, que pede avanço no status sanitário mas com cuidado e maior rigor dos controles, suinocultores vêem maior salto russo nas compras (37,6% no 1º trimestre) e acreditam que se a demanda de Pequim crescer, como se projeta, a produção terá que ser maior em peso dos animais. Setor não investiu em produção per capta.
Valdecir Folador - Presidente da ACSURS

Podcast

Entrevista com Valdecir Folador - Presidente da ACSURS sobre o Mercado de suínos aquecido

Download

LOGO nalogo

A expectativa é que se a demanda chinesa por suínos aumentar no estado do Rio Grande do Sul, os produtores rurais vão ter que elevar os preços da carcaça dos animais. Até o momento, a Rússia é o único país que está liderando as importações.

De acordo com o Presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS), Valdecir Folador, o impacto das exportações da Rússia foram maiores do que da China neste primeiro trimestre do ano. “Nós tivemos um total de 37,6% do que produzimos de janeiro a março sendo exportado para o mercado russo”, afirma.

A Rússia abriu mercado para quatro plantas frigoríficas do estado do Rio Grande do Sul neste ano, tendo em vista que o estado é único que está exportando para o país. Já Hong kong foi responsável por importar cerca de 21,03% e a China importou aproximadamente 10,18% dos suínos na localidade.

“Nós sabemos que grande parte da carne suína importada de Hong Kong acaba sendo destinada para a China, mas somando os dois mercados representam cerca de  31% do volume exportado”, destaca.

Atualmente, as referências para os não integrados estão ao redor de R$ 4,18/kg e os preços para os integrados estão próximos de R$ 3,35/kg. “O mercado reagiu bastante e a tendência é que se mantenha nestes patamares e ganhe espaço para subir mais um pouco”, ressalta.

Status Sanitário

Nesta segunda-feira, a Assembléia Legislativa do estado está lançando a frente parlamentar em apoio à evolução do status sanitário animal. A frente terá como objetivo dialogar com as entidades, governo federal e estadual para que consiga avançar neste setor e se tornar uma zona livre de febre aftosa sem vacinação.

“A frente vai possibilitar a todos a discutirem sobre a evolução da retirada da vacinação para buscar novos mercados e também melhorar ainda mais nosso status sanitário. Por outro lado, é o poder público que faz a manutenção desse status sanitário”, comenta.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário