Preços dos ovos aumentam 6,5% em março com demanda firme devido ao isolamento social

Publicado em 31/03/2020 12:41 e atualizado em 31/03/2020 13:47 1099 exibições
Juliana Ferraz - Pesquisadora Cepea
Apesar dos bons preços pagos ao produtor, custos de produção subiram com maior intensidade e margem de lucro está pressionada

Podcast

Mercado de Ovos - Entrevista com Juliana Ferraz - Pesquisadora Cepea

Download

LOGO nalogo

Desde a semana passada (23 a 28 de março) os ovos estão em movimento de alta intensa, coincidindo com o período de isolamento social oficial decretado por alguns estados e municípios. Segundo a pesquisadora do Cepea/Esalq, Juliana Ferraz, a pandemia do coronavírus é o principal fator de aquecimento de demanda neste momento, somado ao período de Quaresma e ao final de mês, quando a população opta por alimentos mais baratos. 

Apesar da demanda em alta, a oferta de produtos está baixa, já que no início do ano é comum que muitos produtores descartem algumas poedeiras, e devido a este acontecimento inesperado, a curta oferta tem feito os preços subirem.

De acordo com Juliana, em Bastos - SP, principal produtora de ovos, na segunda-feira (30) a caixa com 30 dúzias de ovos extra vermelho estava com preço de R$ 136,50, preço 6,6% maior ao da segunda-feira anterior (23). 

No balanço mensal em Batos, a caixa com 30 dúzias de ovos extra vermelho teve reajuste de 6,5% em relação ao primeiro dia útil de março. Se comparado ao mês de março de 2019, a alta é de 22%.

A pesquisadora explica que, mesmo com os bons preços pagos ao produtor, os custos de produção continuam sendo um desafio, já que subiram com mais intensidade do que a valorização dos ovos. "A relação destes dois fatores ainda é desfavorável ao produtor", disse.

No curto prazo, para o mercado de ovos Juliana acredita que os preços devam se manter elevados nas próximas semanas por ser uma proteína com preço mais competitivo em relação às demais, e também pela continuidade da curta oferta de ovos, já que os produtores não soinalizam aumentar a produtovidade.

 

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário