Estudo do Rabobank mostra que a boa estratégia de comercialização da soja tem que focar em margem e redução de risco

Publicado em 13/03/2018 13:59 e atualizado em 13/03/2018 17:28
3894 exibições
Estudo quer desmistificar a ideia de que manter todo o produto físico (soja em grão) após a colheita para venda no 2º semestre sempre resulta no melhor momento de preços no Brasil

LOGO nalogo

Victor Ikeda, analista de grãos do Rabobank, aponta que o produtor brasileiro está cada vez mais eficiente e adepto às novas tecnologias no campo, se diferenciando bastante dos produtores nas décadas de 1980 e 1990. Contudo, a comercialização não acompanhou essa evolução - muitos ainda comercializam como a geração anterior, acreditando que um período do ano em específico é melhor.

Um estudo elaborado pelo Rabobank destaca que a melhor margem não está, necessariamente, em um melhor período do ano. Acredita-se que o segundo semestre oferece os melhores momentos, mas, de acordo com um levantamento feito considerando os últimos 10 anos, foi identificado que, em alguns anos, o preço foi realmente maior, mas que em outros, esse padrão não se repetiu.

Desta forma, o estudo realizou um pequeno exemplo de uma estratégia de comercialização na qual, após o fechamento dos custos, os produtores calculam 70% da safra e comercializam esse volume em lotes ao longo do desenvolvimento da lavoura.  Na estratégia montada pelo Rabobank, a venda foi dividida em 14 lotes - uma venda a cada duas semanas, tentando realizar uma média.

Rabobank

Utilizando essa estratégia e comparando com as vendas concentradas no segundo semestre, o estudo mostrou que os produtores tiveram  uma margem média de 31% no período comercial. Já para quem deixou para vender apenas no segundo semestre, essa margem ficou em 27%. O objetivo, entretanto, não é que o produtor tenha uma melhor margem e, sim, uma menor volatilidade de margem, bem como uma redução de riscos.

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    Estes números deveriam ser feitos em dólar..ai seria mais representativo...

    1
    • GILBERTO ROSSETTOBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Concordo com Dalzir.... o estudo seria melhor aproveitado, se tivesse sido feito em "dolar", já que a soja é cotada nessa moeda. Mas, mesmo assim muito válido.

      2
  • Talita de Paula Carrer Barbosa do Carmo Uberlândia - MG

    Muito boa a reportagem!

    0
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Sem dúvida Talita, também acho esse assunto muito interessante. Estratégia combinada com tática. Estratégia de garantir os lucros e reduzir os riscos, sempre acreditei nisso. O mais interessante é a tática que veio na tabela e que pode ser modificada e utilizada de inúmeras formas visando o mesmo objetivo.

      0
    • FABRICIO ANIZELLICASCAVEL - PR

      Concordo com o parcelamento das vendas, mas discordo dos percentuais. Vender 70% antes da colheita é algo extremamente agressivo, uma vez que sua previsão de safra pode se alterar em até 50% no volume final. Você corre o risco de vender algo que nem venha a existir. Acho que vender no máximo 30% antes da colheita, 30% na colheita e 30% no segundo semestre, seria algo mais razoável!

      2
    • LIONES SEVEROPORTO ALEGRE - RS

      Pode ser que o intervalo de 10 anos analisados (Estudo do Rabobank mostra que a boa estratégia de comercialização da soja tem que focar em margem e redução de risco) tenha mesmo esse resultado, mas se pegarmos toda a historia da soja desde 1973, quando passou a estabelecer um roteiro histórico, essa estratégia perde de goleada. Ademais, os mercados agrícolas são hostis e voláteis, com grande variabilidade de preços. Análises indicadas (e mais usadas) são por anos análogos.

      0