Produtores de trigo no RS devem avaliar possibilidade de refazer aplicações após temporal

Publicado em 01/07/2020 11:10 e atualizado em 01/07/2020 11:55 1554 exibições
Fernando Michel Wagner - Gerente Comercial para a América Latina da Biotrigo Genética
Aplicação de nitrogênio pode precisar ser refeita e risco de doenças como manchas folhares, oídio e mosaico aumenta com tempo chuvoso no início da safra

Podcast

Produtores que retomam o cultivo de trigo em 2020 precisam buscar orientações para se adequarem as novidades da cultura

Download

LOGO nalogo

A área cultivada com trigo no Rio Grande do Sul deve crescer cerca de 20% em comparação À safra de 2019. Entre os fatores que estimularam esse movimento estão a tentativa de se recuperar dos prejuízos com a estiagem nas safras de verão e o bom momento de preços para a venda.

Segundo o gerente comercial para a América Latina da Biotrigo Genética, Fernando Michel Wagner, o consumo do trigo neste momento de pandemia aumentos 12%, o que fez os estoques dos moinhos serem consumidos mais rapidamente, e as altas cotações do dólar estimulam os moinhos brasileiros a buscarem trigo nacional.

Agora, os produtores gaúchos precisam ficar atentos as ações de manejo, principalmente aqueles que estavam fora da atividade há muitos anos e estão retomando o cultivo em 2020 para se adequar à todas as mudanças do setor.

Outro ponto de destaque é para a consequência das chuvas neste início de safra, em especial, dos temporais registrados nesta terça-feira (30). “Tivemos registros de até 200mm acumulados e aquele produtor que já fez aplicação de nitrogênio em cobertura, especialmente na região das Missões, precisa estar atento para a necessidade de uma reposição porque boa parte desse nitrogênio pode ter sido lixiviado por causa dessas grandes quantidades de chuvas”, diz Wagner.

O aparecimento de doenças também precisa estar na atenção dos produtores, já que o tempo chuvoso favorece a ação do oídio, manchas folhares e mosaico. “O agricultor que ainda está por semear deve evitar áreas com histórico do vírus do mosaico que se aproveita de encharcamento e áreas compactadas”, recomenda Wagner.

Confira a íntegra da entrevista com o gerente comercial para a América Latina da Biotrigo Genética no vídeo.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário