Pesquisa mostra que fungicidas protetores, aplicados para controle da mancha branca no milho, têm registrado bons resultados no campo

Publicado em 20/04/2015 17:03 1587 exibições
Pesquisa mostra que fungicidas protetores, aplicados para controle da mancha branca no milho, têm registrado bons resultados no campo
A incidência da mancha branca no milho está aumentando cada vez mais nas lavouras de tradicionais regiões produtoras do país. A doença, provocada por fungos, tem afetado também as novas variedades, mais produtivas e se tornado um problema para os produtores. 

Com plantas pouco tolerantes à doença e a baixa eficiência de alguns fungicidas - tradicionalmente empregados na cultura do milho - os agricultores buscam novas alternativas para o controle do problema.

Segundo o pesquisador da Terra Paraná Pesquisa e Treinamento Agrícola, Eder Blainski, o fungo age, geralmente, quando o milho está no meio do ciclo, danificando a área foliar da cultura e prejudicando o enchimento de grãos. “Pode- se perceber que as perdas causadas pela mancha branca, assim como outras doenças, não está relacionada somente à produtividade, mas também a perda de qualidade do grão do milho. O produtor passa a ter uma menor remuneração do grão pela qualidade inferior”, explica.

Para o controle da mancha branca existem alguns produtos no mercado, um deles é o Unizeb Gold considerado por Blainski o melhor protetor. “Os produtos presentes hoje no mercado não são tão eficientes, a maioria controla cerca de 30% a 60% das pragas. Já o Unizeb Gold tem um mecanismo de ação diferente, multisítio, matando o fungo de várias formas. Por isso, alcança cerca de 80% a 90% de controle da mancha branca e esse controle eficiente o destaca dos demais produtos” afirma. 

Um controle eficiente também reflete na produtividade e qualidade do grão e o Unizeb Gold faz com que a cultura registre excelentes resultados.

Para o pesquisador, o fato do Unizeb Gold, ter em sua composição, zinco e manganês, “dá a planta uma alavancada, turbina o produto, fazendo com que a folha permaneça verde por mais tempo. Com mais folha, mais fotossíntese e consequentemente um grão mais firme, isso acarreta em uma lavoura mais produtiva”, explica.
 

No cultivo do milho a aplicação do fungicida protetor pode ser feita de forma isolada, sem necessidade da mistura com outros produtos. “O correto é usar o fungicida de forma preventiva, porém, pode ser usado no início da doença, quando ocorrem os primeiros sintomas. Mas o ideal é que entre no estágio V8 para obter um melhor resultado. Em geral, três aplicações com o intervalo de no máximo dez dias são suficientes. E esse método pode ser usado tanto para o milho verão quanto para o milho safrinha.” orienta Blainski.

 

Tags:
Por:
Aleksander Horta//Nandra Bites

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário