Após 15 dias de estiagem, lavouras de milho safrinha já apresentam perdas em Doutor Camargo (PR)

Publicado em 16/04/2018 11:08 e atualizado em 17/04/2018 09:54
2784 exibições
Chuvas ainda podem recuperar parte do potencial produtivo das plantas, mas previsões climáticas não indicam precipitações nos próximos dias. Não há água armazenada nos solos. Geada ainda segue como uma preocupação aos produtores. Saca é cotada a R$ 30,00 na região. Na soja, preços estão ao redor de R$ 76,50 a saca e boa parte da safra ainda precisa ser negociada...
Entrevista com Ildefonso Ausec - Produtor Rural

Podcast

Entrevista com Ildefonso Ausec - Produtor Rural

Download

 

Na região de Doutor Camargo (PR), as lavouras de milho safrinha já apresentam perdas devido à estiagem de mais de 15 dias. A última chuva, de apenas 7 mm, ocorreu no dia 1 de abril na localidade. Em outras cidades, como Umuarama e Assis Chateaubriand, a situação é ainda mais grave e as plantações também registram quebra.

Além da ausência de chuvas, as altas temperaturas registradas na região também contribuem para a formação do cenário. De acordo com o produtor rural da localidade, Ildefonso Ausec, se as chuvas retonarem ao município nos próximos dias, algumas lavouras ainda podem recuperar parte do potencial produtivo.

"Porém, não temos previsões consistentes de chuvas e não temos mais água armazenada no solo. E, em anos com o clima favorável, conseguimos um rendimento entre 270 a 280 sacas por alqueire, mas nessa safra não devemos alcançar essa média", reforça o produtor rural.

Preços

Após três de estabilidade, com a saca a R$ 23,00, os preços reagiram e atingiram o patamar de R$ 30,00. "Para o agricultor que não investiu muito, esse valor dá para pagar as contas, mas se a produtividade cair, provavelmente ficaremos no vermelho", explica Ausec.

Soja

Os preços da soja também subiram na região e, atualmente, a saca é negociada a R$ 76,50. O valor está acima dos níveis de muitos contratos realizados antecipadamente, entre R$ 65,00 a R$ 70,00 a saca.

Tags:
Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário