Produtividade da segunda safra de milho em Rondonópolis/MT fica 10% maior e expectativa agora é para plantio da soja

Publicado em 04/09/2019 10:29 e atualizado em 04/09/2019 11:14
733 exibições
Média do município encerra colheita em 110 sacas por hectare após janela de plantio e clima beneficiarem as lavouras. Produtores agora aguardam volta das chuvas para iniciar plantio da soja verão, que deve acontecer em outubro.
Tárcis Sachetti - Diretor do Sindicato Rural de Rondonópolis/MT

Podcast

Acompanhamento de Safra do Milho - Entrevista com Tárcis Sachetti - Diretor do Sindicato Rural de Rondonópolis/MT

Download

LOGO nalogo

A produtividade média da segunda safra de milho em Rondonópolis no Mato Grosso ficou 10% maior do que a registrada no ano passado, atingindo a marca de 110 sacas por hectare. A colheita antecipada da soja, já em janeiro, possibilitou o plantio do milho em uma melhor janela e o clima na região também ajudou no desenvolvimento das lavouras.

Segundo o diretor do Sindicato Rural de Rondonópolis/MT, Tárcis Sachetti, esse aumento de produtividade, aliado aos bons preços de venda, garantiram um respiro ao produtor do município. Em 2017 os preços do milhos foram ruins na região, em 2018 os preços foram bons, mas a produção foi baixa e, agora em 2019, o preço médio de venda do cereal ficou próximos aos R$ 25,00, com patamares até maiores atualmente e ainda 20% da produção para venda.

Pensando na próxima safra de soja 2019/20, o diretor destaca que os produtores estão recebendo os últimos insumos nas propriedades e fazendo as preparações de solo para iniciar a semeadura após a volta das chuvas. A expectativa é que o forte do plantio deva acontecer no mês de outubro.

Sachetti ainda aponta que é esperada uma boa produção nesta próxima safra devido ao alto grau de tecnologia e adubação empregados, e que os produtores buscam boas oportunidades de preços para já negociar parte da sua produção antecipadamente.

Confira a entrevista completa com o diretor do Sindicato Rural de Rondonópolis/MT no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário