Expectativa de super safrinha de milho deve causar recuo das cotações no mercado interno, alerta analista

Publicado em 20/04/2022 11:11 e atualizado em 20/04/2022 11:52
Roberto Carlos Rafael - Germinar Corretora
Germinar Corretora espera produção entre 85 e 94 milhões de toneladas nesta segunda safra e aconselha produtor a fazer preços médios. Chicago também pode cair com melhora do clima para o plantio nos Estados Unidos. Já o Brasil, ainda pode receber demanda extra de exportação vida do espaço deixado pela Ucrânia.

Podcast

Expectativa de super safrinha de milho deve causar recuo das cotações no mercado interno, alerta analista

Logotipo Notícias Agrícolas

Na visão do analista da Germinar Corretora, Roberto Carlos Rafael, a segunda safra brasileira de milho deve produzir entre 85 e 94 milhões de toneladas, se caracterizar como uma super safrinha e atuar para pressionar as cotações do cereal no Brasil.

Rafael ressalta ainda que o mercado brasileiro esperava um desabastecimento maior entre abril e maio, o que mostra que havia mais milho armazenado do que os números de estoques de passagem mostravam. 

Diante deste cenário, o analista destaca a importância do produtor ficar atento ao mercado e aproveitar o bom momento de preços para fechar média de comercialização, ao invés de apostar em uma catástrofe.

Outro fator que pode contribuir para a redução dos preços do cereal é uma normalização no plantio da safra norte-americana, que está atrasado, mas pode ser retomado com a previsão de melhora dos mapas climáticos nos próximos dias. Isso atuaria para reduzir os preços também em Chicago, que nesta semana rompeu a barreira dos US$ 8,00 o bushel nas maiores altas em 10 anos.

Por fim, Rafael aponta que os consumidores brasileiros estão aguardando e apostando nesses preços mais baixos, o que amplifica a importância de buscar novas vendas. Além disso, o atraso nas vendas da soja no Brasil pode gerar um problema de armazenamento mais à frente.

Por outro lado, a demanda por exportação deve ser aquecida em 2022. Nos últimos meses o Brasil já recebeu uma demanda extra de 2 à 2,5 milhões de toneladas e pode fechar este atual ciclo com 40 milhões de toneladas exportadas para dar vasão ao excedente de produção da safrinha.

Confira a entrevista completa com o analista da Germinar Corretora no vídeo.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

5 comentários

  • Luiz Ribeiro Villela São Paulo - SP

    Como o NA tem coragem de publicar opinião suspeita de CORRETORA,quando seus leitores ,com muito mais embasamento,afirmam o CONTRARIO?

    1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Sr LUIZ, eu gostaria de aliviar um pouco a responsabilidade da NA neste assunto----Primeiro quando ele vai entrevistar nao tem noçao do que o entrevistado vai dizer... Segundo, ele nao pode apagar a materia por questoes de trabalho... Terceiro todo mundo percebeu que esse tal de Roberto Carlos Rafael esta' completamente fora da realidade... EU, POR EXEMPLO, AGRADEÇO ESSA ENTREVISTA PORQUE NOS DEU A OPORTUNIDADE DE DIZER QUE O PREÇO DO MILHO VAI ESTOURAR!

      5
    • Luiz Ribeiro Villela São Paulo - SP

      SR CARLO, agradecendo e concordando no fundamental com seu comentário, o NA deveria pensar que nem todos têm o conhecimento e perspicácia do Sr.

      3
  • WELLISTON FRANK TEIXEIRA DOUTOR CAMARGO - PR

    Infelizmente os números da produção de milho não condizem com a realidade, na prática. Centro-oeste do Brasil com poucas chuvas e no Sul, especificamente no Paraná, as lavouras já demonstram perdas significativas em virtude do ataque de cigarrinhas, algumas lavouras já passam dos 30% de perda.

    2
    • elcio sakai vianópolis - GO

      Estou no centro oeste, porém no entorno de Brasília. Minha realidade, já abandonei os tratos culturais em 30% da minha área de milho safrinha. Não tem o que fazer, vou ter quebra na safrinha, o tamanho da quebra irei saber mais pra frente. Já considero uma quebra da safrinha de 50% ou mais.

      0
    • Cácio Ribeiro de Paula Bela Vista de Goiás - GO

      Informação validada, Sr. ELCIO SAKAI... região da Estrada de Ferro(sudeste de GO), lavouras de milho, sorgo e girassol estão sob forte stress hídrico! Perdas muito elevadas!!

      0
    • Thiago Cavalcante Cristalina

      Aqui também em Cristalina-GO, divisa com Minas, regiaão de Paracatu, Unaí, poucas chuvas, ... em nossa fazenda já são 50 dias sem chuvas, perdas severas.

      0
  • Ivo Bortolassi Foz do yguacu - PR

    Então vai ser exportado!

    0
  • Geovani Salvetti Ubiratã - PR

    Sem a exportação da Ucrânia vai faltar milho e os americanos aumentando milho no etanol, vai subir

    0
  • DIOGO SABIAO Araçatuba - SP

    Engraçado, aqui no próprio site do NA reporta os riscos da safrinha no MT quanto a irregularidade das chuvas, aí vem essa notícia de "Super Safrinha" não entendo....

    1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      O NA escuta o sino do mercado, e o sino faz DING e DONG---

      4