Demora dos deputados levará votação da reforma da previdência para o 2º semestre

Publicado em 27/05/2019 15:57 e atualizado em 27/05/2019 17:04
910 exibições
Analista político explica que o atraso na votação é consequência de projetos que estão se acumulando na Câmara
Renato Dias - Diretor Executivo do Blog Ranking dos Políticos

Podcast

Entrevista com Renato Dias - Diretor Executivo do Blog Ranking dos Políticos sobre o Manifestações a favor do Bolsonaro

Download

LOGO nalogo

O presidente Jair Bolsonaro classificou as manifestações realizadas no último domingo em todo o país como "extremamente significativas" e "históricas”, sendo que o povo saiu às ruas a favor do governo atual e da reforma da previdência e o pacote anticrime. A tendência é que a reforma da previdência venha ser votada a partir do segundo semestre.

Diretor Executivo do Blog Ranking dos Políticos, Renato Dias, as manifestação no domingo não contavam com nenhuma liderança incentivando as pessoas. “Ou seja, isso mostra que foi realmente um movimento espontâneo e as pessoas foram para a rua por que quiseram e a favor da reforma da previdência que mexe no bolso da população”, comenta.

A expectativa é que as manifestações neste último domingo tenham um efeito no congresso e que os deputados percebam que não dá mais para adiar a votação. “O país ainda continua nessa marcha de espera para ver o que vai acontecer e para depois conseguir crescer e as empresas voltarem a investir”, aponta.

Leia mais:

>> A revolução das pessoas comuns, por Paulo Briguet

Dias salienta que é difícil definir uma data em que a reforma da previdência será votada na Câmara dos Deputados e que existem prazos regimentais que impedem. “Tem um número mínimo de sessões que precisam ser feitas na comissão e o Samuel Moreira, relator da Previdência, diz que relatório vai manter o impacto fiscal de R$ 1,2 tri em dez anos”, afirma.

Ontem (26), o presidente concedeu uma entrevista a Record TV em que disse que propõe pacto com legislativo e judiciário em prol das reformas da Previdência e da Tributária. “Os deputados ficam preocupados com o eleitorado que muitas vezes é contra a reforma da previdência, mas o parlamentar precisa entender que ele vai ajudar essas pessoas”, relata.

Segundo um levantamento realizado pela a Secretária da Previdência e pela a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), mostra que o número de aposentados e pensionistas é maior nos estados no sul e no sudeste do país. “Nós estamos chegando a um ponto em que todo o dinheiro arrecadado de imposto será gasto com aposentadoria, isso é uma questão de matemática”, ressalta.

Previdência por estado (Estudo Realizado pela Firjan) 2019

Já com relação ao déficit previdenciário por habitante, o estudo destaca que apenas o estado de São Paulo tem um custo negativo de 18 bilhões e a média para cada pessoa é de R$ 436,00. “A reforma precisava ser feita muito antes e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tentou fazer e não conseguiu por um voto”, destaca.

O relator afirmou há pouco que é possível melhorar “muito” o projeto do governo mantendo a meta fiscal “coerente” que o governo apresentou. 

Moreira disse que o projeto já tem 42 emendas – o prazo para recebê-las vai até 5ªf – e reafirmou que vai apresentar seu relatório em 15 de junho. 

Disse também que os partidos de centro são fundamentais para aprovação da reforma e que vai acatar em seu relatório mudanças pedidas pelo centro e por parlamentares de esquerda. 

“Vou trabalhar por isso [inserir o centro no relatório]. Não adiante entregar relatório e ele não ter votos, afirmou.

Bolsonaro diz que manifestações de domingo foram históricas e significativas

 

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro classificou nesta segunda-feira de "extremamente significativas" e "históricas" as manifestações realizadas no domingo em todo o país a favor de seu governo e de medidas propostas pelo Executivo ao Legislativo, como a reforma da Previdência e o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro.

"Quando imaginaríamos uma manifestação expressiva a favor de reformas consideradas impopulares? A população mostrou-se extremamente consciente. A peculiaridade deste evento torna injustificável qualquer tentativa de minimizá-lo", escreveu o presidente no Twitter.

Bolsonaro comparou os atos de domingo ao realizado no dia 15 de maio, após convocação da União Nacional dos Estudantes, contra o bloqueio de verbas na educação, afirmando que as manifestações do fim de semana ocorreram de forma espontânea e sem a participação de entidades, que ele disse terem sido tomadas pela esquerda.

"Devemos considerar que não há no país outro movimento com estrutura tão sólida e organizada quanto a esquerda, que por décadas ocupou espaços e aparelhou instituições para chegar onde chegou. Conseguir o mesmo espontaneamente, inspirando-se apenas no bem comum, supera tudo isso", escreveu.

"Dentro desse contexto, somando a desinformação e a falta de apoio de diversos setores às peculiaridades já citadas anteriormente, o que vimos ontem foi extremamente significativo e histórico. Não podemos ignorar."

Por: João Batista Olivi e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário