Bolsonaro mostra a conta, Governadores reclamam, mas não mostram onde gastaram o dinheiro do Covid

Publicado em 01/03/2021 16:54 e atualizado em 01/03/2021 17:28 498 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi

“O nome é auxílio, não é aposentadoria”, diz Bolsonaro sobre coronavoucher (no Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro disse a apoiadores nesta 2ª feira (1º.mar.2021) que “está quase tudo certo” para a definição dos valores das novas parcelas do auxílio emergencial. Segundo ele, o coronavoucher – como o auxílio é chamado pelo governo–, deve ter uma nova rodada de 4 parcelas de R$ 250.

“Ontem tive uma reunião de 3 horas à noite, aqui [no Palácio da Alvorada], R$ 250 por 4 meses”, disse em frente à residência oficial.

O presidente criticou aqueles que reclamam do valor do benefício. “Alguns reclamam que é muito pouco. Meu Deus do céu, alguém sabe quanto custa esse auxílio para todos vocês brasileiros? O nome é auxílio, não é aposentadoria”, disse.

Bolsonaro voltou a dizer ainda que a extensão do coronavoucher trará endividamento à União. “Não é dinheiro no cofre não, é endividamento”.

VACINAS

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro afirmou que o Brasil deve ter, no mínimo, 22 milhões de doses de vacinas disponíveis em março.

“Alguns criticam o Brasil, me criticam. A vacina a gente só podia comprar depois que a Anvisa autorizar. Vou comprar qualquer negócio que aparecer aí?”, disse.

Mais cedo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o governo federal entregará 140 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 aos Estados até maio deste ano.

De acordo com Lira, o assunto foi tratado em encontro na noite de domingo (28.fev) que reuniu Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e os ministros Eduardo Pazuello (Saúde), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Braga Netto (Casa Civil).

A previsão apresentada na reunião, segundo Lira, é que de 40 milhões a 50 milhões de pessoas estejam vacinadas antes do início de junho. E ainda, que todos os brasileiros acima de 60 anos e outros em situação de vulnerabilidade sejam vacinados até o final de maio.

Ao comentar o ritmo de vacinação avançado em Israel, o presidente Jair Bolsonaro disse que a população é muito menor que a do Brasil. Afirmou ainda que as características geográficas, populacionais e políticas israelenses são diferentes das brasileiras.

“É um outro país, não tem uma gota de petróleo, não tem terra fértil, não tem água nem nada. Só que tem um povo realmente que se dedica. E tem uns políticos diferentes dos nossos aqui também, onde eu me incluo”, disse. Completou afirmando: “É uma crítica geral. Não estou criticando os outros não, estou criticando todo mundo aí”, disse.

Lira diz que governo vai entregar 140 milhões de doses de vacinas até maio

Poder360

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta 2ª feira (1º.mar.2021) que o governo federal vai entregar 140 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 até maio deste ano.

De acordo com Lira, o assunto foi tratado em encontro na noite de domingo (28.fev) que reuniu o presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e os ministros Eduardo Pazuello (Saúde), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Braga Netto (Casa Civil).

A previsão apresentada na reunião é que de 40 milhões a 50 milhões de pessoas estejam vacinadas antes do início de junho. E ainda, que todos os brasileiros acima de 60 anos e outros em situação de vulnerabilidade sejam vacinados até o final de maio.

O presidente da Câmara, no entanto, não detalhou o cronograma de recebimento das vacinas. Ele também não informou quais imunizantes serão oferecidos à população. No Brasil, estão sendo aplicadas as vacinas CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e a AstraZeneca/Oxford.

O grupo com mais mortos por covid-19 é o de brasileiros acima de 60 anos. Quando estiverem imunizados haverá menos mortes e menos lotação nos hospitais.

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Em publicação no Twitter, o presidente da Câmara disse que a reunião também ficou definido que o auxílio emergencial será de R$ 250 até junho.

Em entrevista à TV Record na manhã desta 2ª (1º.mar), Lira disse que “se as perspectivas correm bem, com importação de insumos e fabricação [dos imunizantes] podemos ter 140 milhões de vacinas para março, abril e maio”. “Estamos trabalhando para isso, é a única saída que nós temos para garantir a saúde da população e a manutenção da economia”.

Poder360 procurou o Ministério da Saúde para confirmar a informação sobre as vacinas, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

último cronograma divulgado pela pasta, em fevereiro, previa a entrega de 395 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 até 2021. A entrega de 140 milhões de vacinas até maio não estava determinada pelo planejamento.

Fonte:
Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário