Com clima irregular, perspectiva é de queda na produtividade das lavouras de soja em Cascavel (PR) em relação ao ano passado

Publicado em 06/12/2017 10:20 e atualizado em 06/12/2017 15:56
1892 exibições
No ciclo anterior, rendimento médio foi de 151 sacas por alqueire. Lavouras estão em fase de desenvolvimento vegetativo e floração. Confirmação de La Niña preocupa os produtores e pode afetar a produtividade das plantações. Preço de balcão gira em torno de R$ 65,00 a saca e não cobre os custos de produção.
Confira a entrevista com Paulo Roberto Orso - Presidente do Sindicato Rural de Cascavel-PR

LOGO nalogo

Em Cascavel/PR, as lavouras de soja ficaram com o desenvolvimento comprometido, devido ao clima seco que acabou atrasando o plantio. Com precipitações elevadas e a estiagem, o replantio foi necessário em algumas localidades. O cenário já começa a preocupar, uma vez que a janela ideal para o milho safrinha já está prejudicada.

O presidente do Sindicato Rural do município, Paulo Roberto Orso, destaca que a safra 2017/18 terá um resultado inferior ao ano passado, sendo que na região o rendimento médio das lavouras foi de 151 sacas por alqueire. “Neste ano, nós vamos ter uma média menor devido aos problemas climáticos no início da temporada. Porém, as lavouras já estão em estado vegetativo e com floração, mas a produtividade pode ficar comprometida na colheita por conta do tamanho”, ressalta.

Ao mesmo tempo, a confirmação do La Niña acaba sendo uma preocupação a mais para os produtores, já que o fenômeno climático pode afetar a produtividade das lavouras. Com isso, a comercialização já começa a ficar mais lenta. “Por isso (incerteza climática), não estamos com o comprometimento dos termos de vendas antecipadas por conta da cautela dos produtores rurais”, afirma.

Preços

Na região, a saca da soja balcão está cotada entre R$ 65,00 e R$ 65,50, mas não cobre os custos de produção. Já os contratos futuros giram em torno de R$ 67,00 e R$ 69,00 a saca. No entanto, o câmbio também pode impactar nos preços.

“O produtor  tem que ter cautela e estar de olho no dólar, pois é ele que vai determinar a melhor opção no mercado disponível e no futuro ”, completa o presidente.

Por: Fernanda Custódio e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário