Excesso de chuva no PR dificulta controle da ferrugem e aumenta incerteza sobre potencial produtivo da soja no estado

Publicado em 02/01/2018 11:24 2692 exibições
Confira a entrevista com José Eduardo Sismeiro - Vice-Presidente Aprosoja PR
Safra de soja no Paraná já teve um início conturbado pelo atraso das chuvas e uso de variedades fora do prazo ideal de plantio

Podcast

Excesso de chuva no PR dificulta controle da ferrugem e aumenta incerteza sobre potencial produtivo da soja no estado

Download

 

LOGO nalogo

José Eduardo Sismeiro, vice-presidente da Aprosoja PR, conversou com o Notícias Agrícolas nesta terça-feira (2) sobre a situação da soja no estado do Paraná, que passa por problemas em função do excesso de chuvas - foram 20 dias de chuvas seguidos -, uma vez que os produtores não conseguem adentrar os campos para realizar o manejo adequado.

Com isso, a maior preocupação se dá em torno da ferrugem, já que as lavouras estão desprotegidas há um bom tempo. A expectativa é de que, agora, o estado tenha dias sem chuva que irão permitir com que os produtores trabalhem. A recomendação de Sismeiro é que esses dias sejam aproveitados para realizar o controle necessário.

A safra já começou com 20 a 25 dias de atraso, com variedades plantadas que teriam melhor produtividade se colocadas no solo no período correto. O Departamento de Economia Rural (Deral) do estado estima uma safra de 19 milhões de toneladas, mas o vice-presidente aposta que esse número pode cair para 17 milhões de toneladas, embora ainda não seja possível apurar o potencial de perdas.

O Paraná deve começar a colher em 20 de fevereiro. Desde o atraso do plantio da soja, o milho safrinha já está comprometido e os produtores, agora, não sabem nem quando irão conseguir plantá-lo.

A comercialização da soja, por sua vez, está atrasada: diante do atraso no plantio, os produtores ficaram com medo de fazer compromissos. Agora, eles devem segurar diante de qualquer oferta abaixo de R$70.

Em relação à ferrugem, a Aprosoja também conversa com a Bolívia e o Paraguai para que estes países repensem a soja safrinha. A curto prazo, Sismeiro aconselha aplicar os produtos mais eficazes possíveis na parte curativa.

 

Por:
Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário