PI: Justiça determina reintegração de posse em áreas produtivas e sojicultor pode ficar sem a safra

Publicado em 06/03/2018 11:46 e atualizado em 06/03/2018 18:43
3800 exibições
Decisão do Tribunal de Justiça do estado dá decisão favorável a grileiro e 1400 hectares já cultivados com soja podem não ser colhidos. Produtores e lideranças locais estão reunidos para reverter decisão tomada já há 15 dias, feita sem vistoria, perícia ou memorial descritivo.

LOGO nalogo

No Piauí, uma decisão do Tribunal de Justiça permitiu que ocorresse a grilagem de uma propriedade de 1400 hectares que, cultivados com soja, não poderão ser colhidos pelo proprietário original.

Para Altair Fianco, presidente da Aprosoja Piauí, o tema é "polêmico e ruim para a região". Uma lei sancionada em 2015 foi essencial para resolver questões relacionadas à demanda entre o estado e os agricultores, a partir da qual muitas áreas foram regularizadas. O proprietário original da área, que estava com todo o seu procedimento jurídico encaminhado, foi pego de surpresa por uma ordem de reintegração de posse vinda de outra pessoa.

A decisão foi tomada há 15 dias e foi feita sem vistoria, perícia ou memorial descritivo. Desta forma, teoricamente, "o produtor não é mais dono da área de soja que está sendo colhida". A Aprosoja encaminhou um ofício para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) local para reverter a situação e saber o que está ocorrendo.

Fianco destaca que a OAB está trabalhando ao lado do setor e que parte da defesa já está sendo realizada, de forma que ele acredita em um desdobramento positivo para essa questão.

Para o presidente, os agricultores devem investir em bons advogados para se proteger dessa questão.

Safra no Piauí

Ele destaca que o ano vem sendo bastante positivo para a produção de soja e milho no estado, com cerca de 10% a 12% de área colhida e uma "média surpreendente". As estimativas são de uma colheita de 2 milhões de toneladas de soja, com o milho despontando para um bom caminho também.

Por: Carla Mendes e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário