Negócios com a soja no Brasil estão voltando aos poucos e prioridade são para vendas para setembro com preços acima de R$ 90/sc

Publicado em 04/07/2018 17:39
5218 exibições
Piso de preços da soja em Chicago pode estar próximo já que a partir de US$ 8,40/bushel produtores podem acionar o seguro nos EUA
Luiz Fernando Gutierrez Roque - Analista da Consultoria Safras & Mercado

Podcast

Entrevista com Luiz Fernando Gutierrez Roque - Analista da Consultoria Safras & Mercado sobre o Mercado da Soja

Download

 

Nesta quarta-feira (4), em função do feriado de 4 de julho nos Estados Unidos, o mercado se viu sem a referência da Bolsa de Chicago (CBOT) para a soja. Contudo, há uma melhora no mercado interno brasileiro, mesmo que pouco significativa no momento.

Luiz Fernando Gutierrez Roque, analista da Safras & Mercado, lembra que na sexta-feira (6) entra em vigor a tarifação dos produtos chineses, de forma que a retaliação para a soja americana pode ocorrer em sequência. Dessa forma, o mercado segue em compasso de espera.

Há um pessimismo crescendo em cima da questão comercial entre os Estados Unidos e a China que traz um mau humor no mercado mundial como um todo. O dólar ganha valor frente a outras moedas e o mercado espera por novidades - e a tendência é que elas não apareçam de fato.

Se a tarifação ocorrer, haverá um impacto sem precedentes para a soja norte-americana. A CBOT, por sua vez, tem um fundo histórico de US$8,40/bushel, já que, a partir desse valor, o Governo entra com subsídio para o produtor local. O último teste desse piso foi há dez anos.

Os brasileiros viram, neste momento, uma janela para as oportunidades. Os prêmios estão elevados na região portuária e as negociações ocorrem por volta dos R$90.

Por outro lado, a indefinição dos fretes atrapalha o mercado. O maior ritmo de negócios ocorre para os meses de setembro e outubro. Existe uma necessidade grande de deixar claro qual será o preço mínimo para a fluidez maior dos negócios.

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Noticias Agrícolas

1 comentário

  • Daniel Hiller Ada - 00

    From reading this interview, you do not understand how crop insurance works in the US. The revenue insurance is a combination of CBOT and yield. for example, I have a proven yield of 50 bu per acre and the average price in Feb of the November contract is $ 10 / bu the expected revenue is $ 500 / acre. I can insure a maximum of 80% or $ 400 / acre. many select lower coverage due to cost. we have to pay for this insurance, the government does not provide it free. now if my yield is 60bu / a and the price is $ 7.00 bu I get no payment because my income is above the $ 400 / acre.The support price for soybeans in the government program is about $ 5.00 bu. hope this helps you understand the US insurance program it is a mixture of yield and price on the CBOT. there is no coverage the price difference from the CBOT and my local price. hope this helps you understand the US insurance program.

    Tradução:
    Ao ver esta entrevista, você parece não entender como funciona como o seguro agrícola funciona nos EUA. O seguro de receita é uma combinação de CBOT e produtividade. Por exemplo, tenho um rendimento comprovado de 50 bushels por acre e o preço médio em fevereiro do contrato de novembro é de US$ 10/bushel, com a receita esperada de US$ 500/acre. Eu posso garantir um máximo de 80% ou US$ 400/acre. Muitos optam uma cobertura menor devido ao custo. Nós temos que pagar por este seguro, o governo não o fornece gratuitamente. Agora, se o meu rendimento é de 60 bushels/acre e o preço é de US$ 7,00/bushel, não recebo pagamento porque a produtividade está acima dos US$ 400/acre. O preço de suporte da soja no programa do governo é de US$ 5,00 por bushel. Espero que isso ajude a entender o programa de seguro dos EUA, que é uma mistura de rendimento e preço na CBOT. Não há cobertura de preço entre a diferença da CBOT e meu preço local. Espero que isso ajude a entender o programa de seguro dos EUA.

    0