Em SP, solos seguem com baixa reserva hídrica e produtores seguem atentos ao clima para o início do plantio da soja

Publicado em 12/09/2018 11:30 e atualizado em 12/09/2018 16:48
835 exibições
Após longo período seco, solos precisam de no mínimo 80 mm de chuvas para dar segurança aos produtores no plantio. Vazio sanitário termina no dia 15 de setembro. No estado, área cultivada com a soja deve aumentar sobre áreas de pastagens e cana-de-açúcar. Cerca de 50% da safra já foi negociada antecipadamente, com preços entre R$ 72,00 a R$ 75,00 a saca.
Gustavo Chavaglia - Presidente Aprosoja SP

Podcast

Entrevista com Gustavo Chavaglia - Presidente Aprosoja SP sobe os Preparativos para o plantio da soja em SP

Download

LOGO nalogo

A partir do próximo sábado (12), os produtores rurais de São Paulo já podem iniciar a semeadura da soja, da temporada 2018/19. Contudo, diante da baixa reserva hídrica nos solos, decorrentes do período seco, os produtores permanecem atentos ao clima e a expectativa é que os trabalhos nos campos só se iniciem em meados de outubro.

"O start será determinando pelo clima. Os agricultores esperam as chuvas, próximas de 80 mm, para iniciarem a semeadura com segurança e mitigar os riscos. E, no estado, a nossa melhor janela é entre os dias 15 de outubro e 15 de novembro, dentro do período chuvoso", explica o presidente da Aprosoja São Paulo, Gustavo Chavaglia.

Para essa nova temporada, a perspectiva é de aumento na área cultivada com a soja no estado, especialmente sobre áreas de pastagens degradadas e canaviais. "Essa é a nossa expectativa, mas o que vai determinar o investimento na soja ou em outra cultura é rentabilidade", destaca a liderança.

Por outro lado, os produtores ainda terão muitos desafios a serem enfrentados nesta temporada, com a questão cambial e da nova tabela de fretes da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) influenciando os custos de produção. Em contrapartida, cerca de 50% da safra já comercializada antecipadamente, com valores entre R$ 72,00 a R$ 75,00 a saca da soja.

 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário