Tão importante quanto uma boa análise de solo é a interpretação bem feita dos dados para otimizar custos e obter produtividade

Publicado em 06/11/2018 14:56
2244 exibições
Consultor explica como garantir uma adubação eficiente e relata erros e acertos mais comuns na hora de se preparar o solo para o plantio
Áureo Lantmann - Consultor Técnico

Podcast

Áureo Lantmann - Consultor Técnico - Adubação: erros e acertos

Download

 

LOGO nalogo

Hoje (06), o Notícias Agrícolas começa uma série para trazer informações ao produtor rural a respeito de uma adubação eficiente. Desta vez, o consultor técnico Áureo Lantmann traz alguns destaques a respeito dos erros e acertos dessa adubação.

Lantmann destaca que a questão da adubação é o item mais caro no custo de produção anual das culturas. Assim, a definição do que será usado tem que ser bastante aprimorada - baseada em recursos para, só então, definir a quantidade. Essa é uma prática cara e tem que ser muito bem ajustada.

Não existe uma adubação padrão. Tudo depende do resultado de análise de solo obtido pelo produtor. Existem algumas referências empíricas que estão atreladas a dados de produção, mas a análise deve ser feita, pelo menos, a cada três anos.

Segundo o consultor, a produção evoluiu bastante nesse quesito e realiza a análise de solo com mais periodicidade. Chegando o resultado dessa análise, ela tem que ser interpretada. "Não é uma receita pronta", salienta Lantmann.

Com esse resultado, o agrônomo deve olhar a tabela de adubação, que é uma boa fonte de informação, mas não é perfeita. Ela é resultado de uma curva de resposta a um determinado elemento. Essa curva, portanto, justifica 80% do acerto. 20% é construído pelo acaso.

A tabela, portanto, é apenas um indicativo. Ela muda de estado para estado, mas a maioria dessas tabelas foi feita quando a soja não passava de 3000kg por hectare. Logo, algumas podem deixar a desejar nessa situação, justificando o fato de que o resultado da análise de solo deve ser sempre interpretado.

Confira a entrevista completa no vídeo acima

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário