Independente ou integrado? Produtor de soja no Brasil precisa decidir de que lado ele quer ficar

Publicado em 28/02/2019 16:23 e atualizado em 28/02/2019 19:18
2101 exibições
Produtor é o elo mais frágil da cadeia e está sujeito à pressão tanto do lado dos fornecedores de insumos quanto da parte compradora de seu produto
Eduardo Lima Porto - Diretor da LucrodoAgro

Podcast

Independente ou integrado? Produtor de soja no Brasil precisa decidir de que lado ele quer ficar

Download

 

LOGO nalogo

Nesta quinta-feira (28), o Notícias Agrícolas conversou com o diretor da LucroDoAgro, Eduardo Lima Porto, a respeito do papel do produtor rural na cadeia do agronegócio brasileiro.

Porto administra o grupo no WhatsApp "Amigos da Soja", no qual foi levantada uma pauta discutida por ele com os outros participantes: afinal de contas, o produtor rural tem estabelecido uma independencia de sua gestão ou está se transformando em um integrado do sistema?

Essa provocação foi feita levando em conta o conceito de independência em relação à gestão financeira do seu próprio negócio. Ele ressalta que o produtor de grãos é um empresário, detém um patrimônio elevado e está sujeito ao preço dos insumos, determinado por uma cadeia e pelo mercado demandante.

Ou seja: nessa lógica, são essas outras relações que determinam o preço que o produtor vende o seu produto, de forma que um produtor que não está bem estruturado pode ser considerado um elo frágil na cadeia.

Acompanhe a entrevista completa com Porto no vídeo acima..

Texto complementar extraído do grupo Amigos da Soja:

Eduardo Lima Porto Novo: O aumento de produtividade traz um aspecto muito importante que é a diluição dos custos fixos por unidade de área (hectare). Quanto mais se extrai de rendimento por ha, em tese melhor será a relação o fator de cobertura ou Ponto de Equilíbrio Operacional
 É preciso levar em conta a estrutura de capital de giro necessária para se atingir essa condição e é aí que muitas vezes mora o perigo. Costumo dizer que os Produtores acabam sendo "presas fáceis" de determinados modismos e a relação custo-benefício da adoção de determinadas tecnologias, algumas vezes, não é bem verificada
 O que importa é a Geração de Caixa Operacional do negócio. É este indicador que determinará a capacidade do Produtor de assumir dívidas, a conveniência de seguir na atividade e também se os resultados são ou não compensadores diante de outras oportunidades de investimento menos arriscadas.
A sensibilidade do Ponto de Equilíbrio é afetada pelos preços, custos fixos (incluíndo o endividamento) e os custos variáveis.
Qualquer coisa diferente disso, é perder por insistência ou teimar por tradição

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • carlo meloni sao paulo - SP

    Mas nao e' você que decide de quem comprar?? O produtor so' vira elo fragil quando espera que os outros decidam ---

    3
    • PETTER ZANOTTIASSIS - SP

      Tem razão Meloni. Vejo que o produtor de grãos, principalmente, é um dos mais privilegiados na cadeia do agronegócio: tem à sua disposição uma gama de opções de fornecedores de insumos, bem como de compradores do seu produto. Existem outros segmentos que são ou dependentes de um único fornecedor ou de um único comprador. Nestes casos a relação se mostra frágil do lado do produtor e cada passo deve ser bem planejado e executado.

      1