Safra no Sul do Brasil e na Argentina sob risco climático faz soja subir em Chicago

Publicado em 21/10/2020 17:31 e atualizado em 21/10/2020 19:28 3388 exibições
Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado da Brandalizze Consulting
Sul do Brasil, Argentina e Paraguai tem potencial para 100 milhões de toneladas de soja e um comprometimento da produção nessa região pode impactar quadro de oferta e demanda

Podcast

Entrevista com Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado da Brandalizze Consulting sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

Em mais um dia de altas para a soja, nessa quarta-feira (21), a bolsa em Chicago fechou com os contratos para novembro de 2020 e janeiro de 2021 no patamar de US$ 10,70. O dia positivo demonstra folêgo positivista, já que o mercado segue preocupado com a instabilidade climática na América do Sul, fator que está atrasando o plantio na região. Na Argentina, a estiagem fez com que a safra de grãos sofresse perdas no trigo e o país também sofre para avançar no plantio da nova safra.

De acordo com Vlamir Brandalizze, analista da Brandalizze Consulting, se o clima não colaborar, os patamares de preços para a soja podem chegar aos US$ 11. O único limitante para esse avanço é uma melhora das chuvas na América do Sul, que por enquanto estão ocorrendo irregularmente em algumas regiões produtoras do Brasil.

A projeção da exportação da safra de soja americana se aproxima de 60 milhões de toneladas, recorde histórico para o país. Os EUA ainda possuem de 10 a 12 milhões de toneladas para negociar nos próximos 10 meses e as vendas adiantadas deixam pouca margem de estoques finais. Dessa forma, a dependência da safra Sul-Americana cresce exponencialmente e uma possível quebra traria o risco de escassez. As primeiras exportações de soja e milho dos EUA para o Brasil já aconteceram, mas o montante até a próxima safra não deve ser expressivo.

A produção de soja do sul do Brasil, mais a soja do Paraguai, da Argentina e do Uruguai possuem um potencial de produtividade em 100 milhões de toneladas. No entanto, essas localizações serão as mais afetadas pelo La Niña, o que é de fato o maior alerta para o mercado no avanço da próxima safra.

Por:
Aleksander Horta
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário