Soja em Chicago segue com viés de alta e pode buscar os US$11/bushel

Publicado em 26/10/2020 17:27 e atualizado em 26/10/2020 18:10 2997 exibições
Ênio Fernandes - Consultor em Agronegócio da Terra Agronegócios
Movimento é sustentado pela forte demanda, retração vendedora do produtor americano e incertezas na safra da América do Sul

Podcast

Entrevista com Ênio Fernandes - Consultor em Agronegócio da Terra Agronegócios sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

Os preços da soja voltaram a subir em partes do Brasil nesta segunda-feira (26). Algumas praças de Rio Grande do Sul, como Não-Me-Toque e Panambi, registraram altas de mais de 1%, enquanto em São Gabriel do Oeste, no Mato Grosso do Sul, a alta foi de 3,75% para R$ 166,00 por saca. Nos portos, as cotrações mantiveram sua estabilidade no início da semana, ainda superando os R$ 150,00 para o produto disponível e os R$ 130,00 para a safra nova. 

"O baixo excedente interno, o cultivo tardio no Brasil e a valorização externa elevaram os preços da soja no mercado doméstico nos últimos dias. Ainda assim, as negociações estão em ritmo lento, devido à retração de produtores, que não têm interesse em negociar o restante da safra 2019/20", explicam os pesquisadores do Cepea.

Assim, mesmo com a baixa de 0,27% do dólar nesta segunda, para R$ 5,61, o mercado ainda encontrou espaço para ganhos pontuais, principalmente onde a demanda é ainda mais intensa. 

"O pouco volume disponível no spot está sendo disputado por indústrias locais, que oferecem preços acima dos da paridade de exportação, algo incomum de se observar. Indústrias sinalizam não ter estoques longos, o que deixa avicultores e suinocultores em alerta quanto ao consumo de farelo de soja no primeiro bimestre de 2021, especialmente diante da possibilidade do atraso da colheita da safra 2020/21, devido ao atual semeio tardio", complementa a nota do Cepea.

Leia Mais:

+ Soja: com semeio atrasado e baixo excedente interno, valores sobem no Brasil

MERCADO EM CHICAGO

Os preços caminharam com pouca força na Bolsa de Chicago e os futuros da soja fecharam o pregão em campo misto. 

O mercado espera por novidades para se reposicionar melhor, mesmo diante de fundamentos bastante positivos, principalmente do lado da demanda. Nesta segunda-feira, novos números fortes de embarques semanais norte-americanos vieram reportados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). No entanto, os traders ainda caminham cautelosos com preocupação no financeiro diante da segunda onda do novo coronavírus atingindo a Europa. 

Ainda assim, como explica o consultor em agronegócios Ênio Fernandes, da Terra Agronegócios, o mercado mantém seu viés de alta, com força para buscar os US$ 11,00 por bushel. Segundo ele, a demanda intensa ajuda na sustentação das cotações, bem como a retração vendedora dos produtores norte-americanos e as incertezas sobre a nova safra da América do Sul. 

+ Estação das chuvas está começando no Matopiba e região Central tem previsão de bons volumes nos próximos dias

+ Muita chuva com descarga elétrica no MS, frente fria no sul e tempestade tropical Mani no Sudeste

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário