Soja despenca em Chicago com clima favorável na América do Sul, mas consultor alerta que safra não está consolidada

Publicado em 22/01/2021 17:32 e atualizado em 22/01/2021 18:18 2749 exibições
Carlos Cogo - Sócio-Diretor da Consultoria Cogo Inteligência em Agronegócio
Para Carlos Cogo, mesmo que cotação recue em Chicago, prêmios compensarão os preços no Brasil

Podcast

Entrevista com Carlos Cogo - Sócio-Diretor da Consultoria Cogo Inteligência em Agronegócio sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

Depois de uma semana intensa de baixas, o mercado aqueceu ainda mais seu recuo e terminou o pregão desta sexta-feira (22) com perdas de quase 60 pontos na Bolsa de Chicago entre os contratos mais negociados. Assim, o março e o maio encerraram a sessão com US$ 13,11 e o agosto, US$ 12,54 por bushel. "Essas baixas foram a devolução do prêmio de risco climático para a América do Sul que foi colocado desde o começo do ano", explicou Carlos Cogo, diretor da Cogo Inteligência em Agronegócio. 

Mais do que isso, em uma condição como a atual de fundos comprados em posições recordes e numa sexta-feira, o movimento do mercado de correção foi "natural" para que os traders comecem a próxima semana mais "protegidos" à espera das novas notícias. "O mercado já tinha feito ganhos elevados e não quis arriscar entrar no final de semana assim", afirma Cogo. 

No entanto, o especialista afirma que permanece a tendência positiva do mercado, principalmente em função de relação ajustada de oferta e demanda e da condição ainda não definida da nova safra da América do Sul. Novos episódios de estiagem no Brasil podem acontecer em fevereiro e voltar a tirar o potencial produtivo das lavouras de regiões importantes. 

Mais do que isso, para o Brasil ainda vem o suporte de uma safra que já está 60% comercializada e os outros 40% sob produtores bem capitalizados, com condições de escalonar bem as próximas vendas. E esse baixo volume, ainda segundo Cogo, tem de atender à novas demandas para exportação e a intensa demanda interna tanto do mercado de rações, quanto do setor do biodiesel. 

 

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário