HOME VÍDEOS NOTÍCIAS METEOROLOGIA FOTOS

Fecoagro/RS aponta redução na rentabilidade da soja e do milho, e aconselha uso racional de insumos

Publicado em 19/11/2021 11:45 360 exibições
Paulo Pires - Presidente da Fecoagro RS
Grande elevação dos custos de produção vai apertar as margens dos produtores e demandar novas estratégias para minimizar impactos nas contas

Podcast

Fecoagro/RS aponta redução na rentabilidade da soja e do milho, e aconselha uso racional de insumos

Logotipo Notícias Agrícolas

A Fecoagro/RS (Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul) divulgou seu novo levantamento de custos de produção apontando uma grande elevação nos custos tanto da soja quanto do milho para esta safra 2021/22 com relação ao ciclo passado 2020/21.

Sendo assim, as relações de troca e margens de lucratividade também sofreram impactos, de acordo com os dados apresentados pelo presidente da entidade, Paulo Pires.

Confira a entrevista completa com o presidente da Fecoagro/RS no vídeo e a nota completa da entidade abaixo

FecoAgro/RS: Custos para produção de soja e milho apresentam forte alta

Novo levantamento da FecoAgro/RS indica que elevação de insumos e combustíveis impactam negativamente para o setor

A projeção de custos de produção das lavouras de milho e soja de verão apontam níveis de elevação preocupantes. É o que mostra novo levantamento realizado pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS). Segundo a entidade, isto é reflexo dos aumentos dos preços de insumos como fertilizantes e defensivos, além das máquinas, implementos e combustíveis.

Alguns produtos tiveram elevação superior a 150% nos últimos 12 meses, ocorrendo também falta de oferta de alguns insumos, bem como a restrição da oferta de diesel. Os novos patamares de custos, tanto no milho como na soja, indicam uma tendência forte de queda de rentabilidade nas duas culturas, reduzindo em 40,28% no milho e em 36,21% na soja no final do ciclo.

A projeção da entidade, com base nos preços de 1º de novembro de 2021, no caso da soja, indica uma perda por parte do produtor na relação de troca de 48,8% em número de sacas necessárias para pagar o custo total de produção, que era de 26,11 sacas, e agora indica uma necessidade de colher 38,85 sacas. Já em relação ao desembolso, o produtor precisará colher 26,63 sacas contra 16,90 na safra passada, uma elevação de 57,54%. Isso reduz significativamente a rentabilidade futura apesar dos preços no mercado permanecerem aquecidos.

No caso do milho, a relação de troca sofreu impacto maior pelo fato de usar mais insumos do que a soja. Com isso, o produtor vai precisar colher 108,58 sacas por hectare para cobrir o custo total de produção ante as 69,16 sacas da safra anterior, um aumento de 57%  de produção diante do atual patamar de custo. Em relação ao desembolso, o produtor sofreu impacto maior e vai precisar produzir 82,43 sacas por hectares frente as 49,04 sacas na safra passada, uma elevação de 68,07%.

Outras atenções, conforme a entidade, ficam por conta da possível restrição de oferta de alguns insumos para a próxima safra, a questão climática e a manutenção dos atuais preços para que os produtores não venham a perder ainda a rentabilidade. Segundo a FecoAgro/RS, qualquer queda de produtividade poderá gerar prejuízos aos produtores.

Portanto, de acordo com a entidade, o quadro indica que o produtor terá que fazer um bom manejo da lavoura e contar com boas condições de clima para obter uma boa safra. Enquanto o custo da soja subiu 52,1% e do milho 65,64%,  a variação de preço no mesmo período de 12 meses foi de 2,69% na soja e de 5,48% no milho. A expectativa é de um aumento de área de soja superior a 3,5%, ultrapassando os 6,3 milhões de hectares, e no milho a expectativa é de uma área acima de 820 mil hectares, 5% a mais em relação à safra passada.

Segundo o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, o produtor respondeu em aumento de área plantada, mas não contava enfrentar tamanha elevação de custos. “Diante dos altos riscos que o produtor enfrenta na produção, ele precisa se proteger com seguro agrícola para se prevenir de eventuais danos causados por fatores como clima e mercado, evitando assim possíveis prejuízos maiores”, observa.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário