Feijão: As referências do nota 8,5 R$ 140, nota 8 R$ 120 e nota 7 R$ 90,00

Publicado em 28/04/2014 16:00 724 exibições

Feijão Carioca: A semana é curta e o período é de meio de mês. Portanto teremos praticamente dois dias onde irão se concentrar os negócios que vão definir a semana. O frio na região sul gera preocupações aos produtores, contudo, até o momento, não existe previsão de geadas para o Paraná, principal produtor desta segunda safra. Os empacotadores aguardam que o início do mês traga de volta a maior movimentação no varejo, mas não acreditam em alta nos preços. Pelo contrário, com a entrada da segunda safra durante maio e junho, todos esperam um recuo nas cotações. Claro que se o clima permitir realmente que a colheita aconteça. Os produtores esperam uma produtividade muito boa, uma vez que as lavouras estão com boa carga e bom aspecto. Na última sexta-feira não ocorreu nenhuma alteração nos patamares de preço, sendo que os feijões acima de 8,5 estão alcançando entre R$ 115/130 seja no RS, SC, PR e GO. O problema continua complicado nos feijões intermediários, como o feijão nota 7,5. No PR e MG foram mais uma vez registrados negócios ao redor de R$ 65/70. Entretanto, o volume ofertado em todo o Brasil permanece sendo extremamente alto para o consumo retraído dos feijões com as  notas inferiores. Na bolsinha em São Paulo houve entrada de cerca de 35.000 sacos, e as sobras são de 29.000 sacos as 07h30min. As referências foram para o nota 9 R$ 150,00; nota 8,5 R$ 140,00; 8 R$ 120,00 e nota 7 R$ 90,00. 

Feijão Preto: E agora? É hora de vender? Os produtores que não conseguiram desovar todo o seu estoque forçam as ofertas, e, com isso, o escasso produto com qualidade se sustenta em R$ 160,00 a saca de 60 kg. Existe um volume considerado pequeno de feijões comerciais, que chegam a ser negociados por até R$ 150,00. Os preços de fardo das melhores marcas permanecem sem alterações nas negociações com as grandes redes de supermercados no Rio de Janeiro. O feijão preto em São Paulo com a referência de R$ 180,00.

Confira mais informações no site da Correpar

Tags:
Fonte:
Correpar

0 comentário