Cloroquina e o uso de produtos para proteção de plantas, por José Otávio Menten

Publicado em 06/05/2020 08:43 91 exibições
José Otávio Menten, Presidente do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Eng. Agrônomo e Professor Sênior da ESALQ/USP e Roberta Züge, Diretora Administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Médica Veterinária Doutora e Sócia da Ceres Qualidade

Está havendo muita discussão sobre a utilização de medicamentos tradicionalmente utilizados para outras enfermidades no tratamento de pacientes com Covid-19 causado pelo novo Coronavírus. Como exemplo já tem discutido a cloroquina e a hidroxicloroquina são utilizadas há mais de 70 anos para o controle da malária e outras doenças; existem poucos trabalhos conclusivos sobre a dose, eficiência e efeitos colaterais no caso do novo Coronavírus.

No mesmo sentido, outros medicamentos promissores utilizados em protocolos conjuntos como corticoides, claritromicina, ivermectina, azitromicina e anticoagulantes; a USP – Universidade de São Paulo vai testar milhares de fármacos para tratar a Covid-19.

Para que novas indicações terapêuticas sejam incluídas nas bulas de medicamentos é necessária a demonstração de segurança e eficácia por meio de estudos clínicos com número representativo de participantes. A ANVISA/Ministério da Saúde divulga que o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em formas graves de Covid-19 será a “critério médico”. Portanto, devido à “emergência”, autorizou o uso compassivo, apenas para pacientes hospitalizados, em estado grave e determinou dose específica. O CFM (Conselho Federal de Medicina) decidiu pela liberação devido à excepcionalidade da pandemia.

Na proteção de plantas, os técnicos já se defrontaram com problemas semelhantes. Em 2001 surgiu no Brasil uma nova doença na soja, causada por um fungo originário da China: Phakopsora pachyrhizi, a temida ferrugem “asiática” da soja. Já na safra 2002/2003 a ferrugem atingiu mais de 90% da área cultivada, causando até 80% na redução de produtividade. O patógeno é disseminado principalmente pelo vento e necessita de temperatura entre 18° e 25° e pelo menos oito horas de água livre na superfície da folha.

Os primeiros sintomas surgem após cinco dias de inoculação. Entre as diversas medidas para o manejo integrado da ferrugem constatou-se que o controle químico era o mais adequado. Por ser uma doença nova, não haviam fungicidas registrados. No Brasil só podem ser utilizados produtos registrados para a cultura e para o alvo biológico. Trata-se de processo rigoroso, que pode levar até oito a dez anos para ser concluído. Houve necessidade de se realizar registro emergencial, de forma que, já em 2003, haviam produtos registrados (nove triazóis e três estrobirulinas), com as respectivas doses, recomendações de número e intervalo entre aplicações. O registro emergencial se justifica para combater uma praga para qual não há produto registrado, como no caso de emergências quarentenárias. Mas só podem ser utilizados após aprovação pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Órgão Registrante) após ouvir a ANVISA/Ministério da Saúde e o IBAMA/Ministério do Meio Ambiente.

Ainda hoje, passados quase 20 anos, fungicidas ainda são as medidas mais utilizadas, tendo ocorrido grande evolução tecnológica, em termos de produtos, combinações, posicionamentos, etc, contribuindo para a sustentabilidade da produção de soja no Brasil. Inclusive, incorporando aos produtos mais modernos, fungicidas mais antigos, pelas suas características e eficiência.

Para o novo Coronavírus, no cenário da pandemia os tratamentos estão sendo realizados conforme indicação médica. Para cada caso e perfil, os especialistas estão indicando diferentes protocolos com o foco de salvar vidas, ponderando os possíveis efeitos benéficos e prejudiciais de cada medicamento, tentando acertar o alvo. Esperamos que, em breve, a ciência também tenha fármacos validados para o novo vírus.

Tags:
Fonte:
CCAS

0 comentário