Mão-de-Obra no agro, por Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D.

Publicado em 25/09/2020 13:38 33 exibições
Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D. é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Máquinas Agrícolas pela ESALQ-USP e Doutor em Energia na Agricultura pela UNESP, executivo, disruptor, multiempreendedor, inovador e mentor. Proprietário da BIOENERGY Consultoria e investidor em empresas

Recentemente participei de uma entrevista especial no programa BELGO AgroPod, da empresa Belgo Mineira, para falar sobre a escassez de mão-de-obra no agronegócio brasileiro.

Sabe-se que o agronegócio é um dos principais setores da economia de nosso país e apesar dos bons resultados locais e das exportações apresentados e, mais um importante, o que se projeta, o campo ainda sofre com a falta de capacitação da força de trabalho.

Não existe a falta se mão-de-obra no setor, o que falta é a adequada qualificação, especialmente no momento que estamos onde cada vez mais se utilizam de novas tecnologias e ferramentas para redução de custos e aumento da produtividade.  

A Agricultura de Precisão, também chamada de Agricultura de Decisão é uma das maiores demandantes por requerem profissionais mais integrados e conectados com as diferentes tecnologias devido a elevada quantidade de instrumentos embarcados.  Não obstante, todos os demais elos da cadeia produtiva podem e devem investir em treinamento.

É importante pontuar que a falta de qualificação não é um tema cultural, apesar de erroneamente por muitas vezes se atribui ao campo e, especialmente aqueles que vivem nele, a falta de educação necessária (desde o ensino básico até o universitário e profissionalizante).  Os centros urbanos devem olhar para o Agro como um mercado importante para oportunidades de trabalho e não apenas como o setor responsável por alimentar a população!

Desde 1960 existe a escassez de mão-de-obra no Brasil e muito lentamente se vê o aumento de investimentos na construção, apoio e expansão das escolas técnicas como ETECs, SENAIs, FATECs etc.  Se pararmos para analisar, 2/3 destas escolas hoje se localizam no estado de São Paulo, maior mercado consumidor, mas longe de ser o maior mercado produtor.  É preciso assim expandir esta malha de conhecimento para atender a demanda existente.  

O Estado e Governo podem contribuir muito com este tema, alinhando políticas que foquem na geração de conhecimento, contudo grande parte do que vem acontecendo é oriundo da iniciativa privada, fundamental neste momento.

Não existe ainda uma pesquisa realizada, que eu conheça, que mediu com precisão o quanto o setor agropecuário poderia crescer com o aumento da capacitação dos profissionais.  Mesmo assim, é possível dizer que a qualidade dos serviços realizados, a satisfação dos profissionais e o índice de retenção aumentarão consideravelmente.  

O crescimento do Agro não passa por desmatamento e sim pelo melhor uso da terra, das variedades plantadas, das máquinas e equipamentos agrícolas, da gestão da operação e do trabalhador rural.

O Agro não para!

Tags:
Por:
Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário