Brasil crescerá menos de 3% em 2011, afirmam mercado e agência

Publicado em 12/12/2011 15:30 193 exibições
Na VEJA Online:


O mercado financeiro voltou a reduzir as previsões para a inflação oficial e a Selic em 2012, ao mesmo tempo em que diminuiu as estimativas para o crescimento da economia neste ano e no próximo, mostrou o relatório Focus do Banco Central (BC) nesta segunda-feira.

Apesar do estímulo via política monetária e medidas fiscais, o mercado seguiu diminuindo as perspectivas para o crescimento econômico neste ano e no próximo. Para 2011, a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) caiu para 2,97%, ante 3,09% no documento anterior. É a primeira vez no ano que a estimativa do mercado para o crescimento do PIB fica abaixo dos 3%. A previsão para 2012 também foi cortada: para 3,40%, contra 3,48% no Focus da semana passada.

Tais previsões são as primeiras pelo Focus após a divulgação de que a economia brasileira teve crescimento nulo no terceiro trimestre ante o segundo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que o país voltou a acelerar neste quarto trimestre, mas admitiu que um crescimento de 3,8% neste ano não é mais possível e citou uma faixa de aumento do PIB entre 4 e 5% para 2012, abaixo da de 4,5 e 5% informada ao divulgar medidas de estímulo à economia neste mês.

A estimativa para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - referência para o regime de metas de inflação no Brasil - em 2012 caiu para 5,42%, ante 5,49% na semana anterior. A expectativa para 2011 ficou inalterada em 6,50%, exatamente no teto da meta do governo, que tem centro em 4,5% e tolerância de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Mais previsões
Na :
A agência de classificação de crédito Fitch revisou a previsão de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil para 2,8% em 2011, segundo relatório divulgado nesta segunda-feira (12). A estimativa da entidade anteriormente era de que o país crescesse 3,5%. Em seu relatório econômico de perspectivas globais constam ainda a projeção de crescimento da economia de 3,2% em 2012 e 4,5% em 2013. A revisão foi necessária devido ao enfraquecimento e desaceleração da economia decorrente da “política monetária mais apertada, o que inclui medidas prudenciais para controlar o crescimento do crédito e uma postura fiscal restritiva”.

Na avaliação, a indústria é cita como um setor atingido negativamente pela valorização do real e as mudanças tomadas nas medidas de estímulo da economia. “Questões estruturais como a alta carga tributária e infraestrutura fraca também dificultam a competitividade do setor”, destaca a Fitch. No tocante a 2012, há ainda a avaliação de que, devido ao cenário externo de volatilidade (influenciado fortemente pela desaceleração das economias desenvolvidas), a variação do PIB seja de 3,8%, bem abaixo do potencial do país, mas aposta que será um momento de diminuição de riscos.

Economia brasileira tem 2ª maior desaceleração entre 34 países

Por Álvaro Campos, da Agência Estado:
A economia brasileira teve a segunda maior desaceleração entre 34 países em outubro, informou a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta segunda-feira, 12. O índice de indicadores antecedentes da organização para o Brasil recuou de 102,3 pontos em outubro de 2010 para 94,2 pontos em igual mês deste ano, uma queda de 7,9%. Na comparação com setembro, o índice para o País caiu 0,5%. Além do Brasil, só a Índia teve uma recuo porcentual maior do indicador, de 8,7%. Entre todos os membros da zona do euro, houve uma queda de 5,1% em bases anuais.

O resultado contraria a afirmação recente do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que a perda de vigor da economia no 3º trimestre era passageira. “No quarto trimestre, já temos outra situação. A economia já estará acelerando, porque uma parte das medidas que tomamos já está sendo revertida, principalmente as medidas monetárias”, afirmou ele na semana passada.

Maiores economias estão desacelerando
O índice antecedente para os 34 membros do bloco recuou de 100,4 em setembro para 100,1 em outubro. Essa foi a oitava queda mensal consecutiva, indicando que a desaceleração do crescimento nos países desenvolvidos iniciada no terceiro trimestre do ano passado deve continuar.

Segundo a OCDE, os indicadores antecedentes para os emergentes também apontam para uma continuação da desaceleração. Mas a organização afirma que alguns países terão um desempenho pior do que outros. A atividade econômica no Brasil, França, Alemanha, Índia, Itália, Reino Unido e na zona do euro deve ser mais fraca do que a tendência de longo prazo. Já no Japão e na Rússia a atividade deve ficar acima da tendência de longo prazo.

Já o índice dos EUA recuou de 101,0 para 100,9. O índice da zona do euro caiu de 99,2 para 98,5, enquanto o índice da Rússia ficou estável em 102,2.

Os indicadores antecedentes da OCDE são destinados a dar sinais antecipados de pontos de virada entre expansão e desaceleração da economia e são baseados numa série de dados que têm um histórico de assinalar mudanças das atividades. As informações são da Dow Jones.

Tags:
Fonte:
veja online

0 comentário