Açúcar, cereais e óleos estimulam aumento dos preços dos alimentos no mundo, diz FAO

Publicado em 09/03/2012 07:06 564 exibições
Baixa do dólar, crise econômica internacional e mudanças climáticas provocaram impacto no valor dos itens alimentícios, segundo pesquisa.
Nos dois primeiros meses deste ano, os preços dos alimentos subiram, em média, 1% no mundo, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Houve produtos, porém, cuja alta chegou a 2,4%, como é o caso do açúcar. Foi o primeiro aumento considerado elevado em seis meses. Os dados estão no relatório sobre a Situação Alimentar no Mundo.

Os pesquisadores da FAO informaram que o aumento foi estimulado pela alta dos preços do açúcar, dos óleos e cereais. O leite e os derivados tiveram os preços mantidos, sem alterações acentuadas. Para a FAO, a alta dos preços foi gerada por uma série de fatores.

Segundo os analistas, o valor do dólar mais baixo, a crise econômica internacional e as mudanças climáticas afetando as produções em vários locais do mundo colaborararam para aumentar os preços dos produtos de forma geral.

Dos produtos que apresentaram elevação mais acentuada, o principal foi o açúcar que registrou 2,4% de elevação. No relatório da FAO, o Brasil é mencionado porque várias regiões produtoras do país sofreram com as condições meteorológicas desfavoráveis.

Cereais como trigo, milho e arroz puxaram esse grupo, e os óleos registraram aumento médio de 2%. As más condições meteorológicas na Ásia e na Rússia também afetaram a produção dos cereais, segundo a pesquisa. Porém, para 2012, a previsão é haver a segunda maior produção de trigo dos últimos cinco anos – cerca de 690 milhões de toneladas.

Ao mencionar as questões regionais, o relatório cita a América do Sul que sofreu com a seca prolongada. De acordo com os dados, o Brasil e a Argentina foram os países mais atingidos, perdendo parte da safra de milho para 2012 e estimulando a alta do preço do produto. Na América Central, o tempo seco também afetou o plantio do milho.
Tags:
Fonte:
Agência Brasil

0 comentário