Farsul cobra bom-senso das indústrias de fertilizantes

Publicado em 11/05/2012 07:50 545 exibições
O presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, criticou o comportamento das empresas de fertilizantes na comercialização de insumos para safra de inverno no Rio Grande do Sul. “Não aguardávamos uma tentativa de ganho das empresas de fertilizantes na situação em que está o setor, com perdas significativas devido à seca. É um comportamento que nos causa estranheza e que deveria ser revisto pelas empresas”, acrescenta Sperotto. Segundo ele, a consequência do aumento dos preços dos fertilizantes é o agravamento da situação dos produtores atingidos pela seca. “Produtores que não conseguiram colher, hoje estão amargando por causa de um comportamento de mercado: o preço do produto sobe, mas não existe grão na mão do produtor. Queremos que as empresas, que sobrevivem desse setor, sejam fortes, mas não dominadoras.” Segundo ele, desde fevereiro houve acréscimo de até 43% em alguns componentes utilizados nas formulações de adubos.
Tags:
Fonte:
Farsul

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • roberto carlos maurer Almirante Tamandaré do Sul - RS

    Não poderiamos esperar outra destas empresas pois elas compram a soja e vendem o adubo.Os fertilizantes disparam a oréia éra cotada na primeira quinzena de março na minha região a R$1.050,00 hoje não se encontra a menos de R$1.500,00, a formula 9-25-15 éra cotada à R$1.020,00 hoje R$1.450,00 e ainda é dificil encontrar pois os caminhões estão parados em Rio Grande dizem que falta matéria prima, do mesmo modo o dólar estava cotado à 1,78 a 1,80 e hoje esta cotado a 1,95 um aumento de 10% enquanto os fetilizantes sobem 45% a 50%.Bom o agricultor vê seu lucro trocar de mão sem poder fazer nada pois quem poderia fazer não faz pois os lugares onde no Brasil existe jazidas de fertilizantes esta na mão de quem? Das mesmas multi e o governo nada faz. Se forem ouvir algum representante das multi vão dizer como sempre(houve um aumento de consumo) a desculpa sempre é a mesma e eles com todo o controle nas mãos, mas um dia isto talves mude e o agricultor deixará de comer capim e relichar pelos campos.

    0