ONGs internacionais e ecotalibãs atacam Presidente do Brasil

Publicado em 28/05/2012 20:27 1250 exibições
por Ciro Siqueira, do blog www.codigoflorestal.com

ONGs internacionais e ecotalibãs atacam Presidente do Brasil

A ONG internacional Greenpeace acaba de publicar em sua página na página na internet um texto em que chama a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, eleita pela maioria do povo brasileiro em eleição democrática, de mentirosa. O desrespeio da ONG foi imediatamente seguido por outros ecotalibãs, como o ecólara Andre Lima, um dos Marina's boys.
bbbbbbbbbbbbbbb.jpg

André publicou em sua página do micro blog a afirmação de que a presidente do Brasil "amarelou" ao vetar apenas parcialmente o texto de reforma do Código Florestal aprovado pelo Legislativo. Os ecólatras exigiam que a chefe do Executivo ignorasse o Legislativo vetando integralmente texto do Código Florestal.
MariaRosa.png

Impressiona a falta de respeito desses ecóltras sem voto e das ONGs internacionais pelas instituições democráticos do Brasil. É certo que eles preferiam uma ditadura verde através da qual eles pudessem anular o indivíduo em nome das sandices em que acreditam.

O povo brasileiro precisa aprender a reconhecer o que há esse tipo de comportamento desrespeitoso e anti-democrático. Fora Greenpeace.


O Artigo Primeiro tem que cair

Izabella%2BJose%2Bcruz%2B2.JPG
Caros, o Diário Oficial de hoje trás o texto no Novo Código Florestal brasileiro sancionado com os vetos e a Medida Provisória que tenta tapar as lacunas deixadas por eles. Mas não apenas isso. O Diário trás também as justificativas da Presidência da Republica para cada um dos vetos feitos no texto aprovado pelo Legislativo. Isso significa que o Presidente do Senado, que ocupa também a presidência do Congresso, já pode convocar a sessão do Congresso Nacional para a apreciação dos vetos feitos pelo Executivo.

ALGUNS VETOS TERÃO QUE SER DERRUBADOS. O veto ao Artigo Primeiro terá que ser derrubado. O Governo vetou o texto do artigo primeiro do Relatório Rebelo e substituiu através da Medida Provisória publicada hoje o texto do Senado que foi escrito pelas ONGs. O texto do Senado é inconstitucional uma vez que dá diretrizes de caráter geral à lei, o que é ilegal.

De acordo com o Planalto o Artigo primeiro foi vetado porque "não indicava com precisão os parâmetros que norteiam a interpretação e a aplicação da lei." Ocorre que tudo o que não há no texto enviado via MP para substituir o Artigo Primeiro é precisão. O artigo tem caráter geral e pões a produção agropecuária como função secundária do imóvel rural. Pelo texto da MP a função principal dos imóveis rurais é preservar mato e não produzir alimentos. Da forma como está o texto será interpretados por promotores públicos e juízes dando importância superior a preservação de florestas do que à produção agropecuária.

O veto do $3º do Artigo 4º joga na ilegalidade toda a produção de arroz em várzea feita há séculos no Rio Grande do Sul, por exemplo. Todos os sistemas de cultivos implantados com a sistematização de várzeas, muitos dos quais feitos com o incentivo do próprio Estado brasileiro com o Provárzea, foram simplesmente atirado aos leões.

São apenas dois exemplos que expõem a necessidade da convocação da seção do Congresso para apreciação dos vetos e da mobilização dos produtores rurais e deputados ligados ao setor para a derrubada desses e de outros vetos feitos pelo Executivo.

José Sarney. Esse o nome do homem em quem se deve centrar todas as pressões políticas para a convocação da seção de apreciação dos vetos. Ele não tem prazo para fazê-lo e não sofrerá nenhuma punição se não o fizer. É controlando a atitude do Presidente do Congresso que o Governo tem evitado a apreciação de todos dos vetos que fez até agora em matérias deliberadas pelo Legislativo.

Se Sarneyzão não se mover, os produtores rurais serão mais um vez derrotados.


CNN repercute os vetos de Dilma ao Novo Código Florestal

Segue vídeo da Rede de TV norte-americana CNN sobre os vetos ao novo Código Florestal feitos pela presidente Dilma Rousseff. Sugiro pôr reparo em três coisas na reportagem: Primeiro a na contradição da Madre Marina de Xapuri dizendo que quer os vetos, mas hoje insatisfeita com os vetos; segundo na forma sera como a Senadora Katia Abreu colocou um dos problemas fundamentais do Código Florestal: o que fazer com os produtores rurais que terão seus imóveis inviabilizados pela lei; terceiro a forma com os jornalistas internacionais se preocupam apenas com a Amazônia. A reforma do Código Florestal teve principalmente o objetivo de regular a agricultura fora da Amazônia. As regras para a Amazônia praticamente não foram alteradas pelo novo Código Florestal, mas a repercussão internacional é toda dirigida para aquela região. Vejam o vídeo abaixo. Se necessário usem a ferramenta de tradução do blog.
Sao Paulo, Brazil (CNN) -- Brazilian President Dilma Rousseff on Friday vetoed 12 articles of a controversial forest bill approved by Congress last month, which was promoted by the powerful agriculture lobby but slammed by environmentalists.

The legislation updates the complex Forest Code, regulating how much and what kind of land should be maintained as native forest and how much can be cleared for ranching and agriculture.

Rousseff's decision comes less than a month before Rio de Janeiro is due to host a high-profile U.N. summit on sustainable development. Many Brazilians had pushed for a complete veto, staging protests across the county and collecting 1.9 million signatures for a petition.

Instead, Rousseff opted for line-item vetoes of articles that many said would grant amnesty to those who had illegally cleared land.

She vetoed sections that would have eliminated reforestation requirements and sharply reduced the area around water sources that must be maintained as forest.

The Amazon rainforest covers a huge area, roughly half as large as the United States, with about 60% of it in Brazil.
It is estimated that nearly a fifth of the Brazilian forest has been lost since 1970, but over the past decade, authorities cracked down on clear-cutting, reducing the rate of deforestation by 80%.

Former environment minister and presidential candidate Marina Silva has been a loud critic of the bill.
"It's a setback without precedent after the 23 years of progress we've made," she said.

Sen. Katia Abreu, who represents the agriculture and ranching lobby, said the question of reforesting around rivers is more complicated than it appears.

"There are a lot of people who only have a tiny plot of land which is entirely inside the river margins," she said. "What are they going to do with those people? How are they going to reimburse them?"

For years, the Brazilian government encouraged settlers to slash and burn forests in the sparsely populated center, north and west of the country for farming and ranching.

Over three decades, Brazil went from being a food importer to an agricultural powerhouse.

The new Forest Code has been an attempt to reach a compromise for farmers and environmentalists.



Tags:
Fonte:
Blog Ciro Siqueira

0 comentário