Publicidade

Agricultores familiares do Semiárido terão mais sementes para ampliar a produção

Publicado em 06/11/2012 16:34 248 exibições

Como parte do Plano Brasil sem Miséria, as 93,4 mil famílias agricultoras do Semiárido em condição de pobreza extrema, que têm recebido sementes da Embrapa, terão acesso a um novo lote de 494 toneladas de sementes de milho, 381 toneladas de sementes de feijão-caupi e kits com nove sementes de hortaliças.

A estratégia é apoiar essas famílias para superarem a condição de pobreza extrema por meio da inclusão produtiva, com a melhoria da renda obtida na produção agrícola a partir de sementes melhoradas. O aditivo que prorroga o Termo de Cooperação entre a Embrapa e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), publicado no Diário Oficial da União da última quinta-feira (1º), é de R$ 3,7 milhões.

O total distribuído nas duas fases é de 934 toneladas de sementes de milho e 467 toneladas de sementes de feijão-caupi. "Além dessa prorrogação, estamos trabalhando para ampliar nossos recursos e incrementar a utilização de sementes e mudas melhoradas por meio da pesquisa da Embrapa em nossos diferentes biomas", diz o secretário de Agricultura Familiar do MDA, Valter Bianchini.

Variedades

As sementes distribuídas foram testadas e indicadas pela pesquisa por sua produtividade, resistência a doenças e pragas e adaptação às condições climáticas. Como são de alta qualidade, resultam em maior produtividade do cultivo. Com elas, serão fornecidos material informativo sobre plantio, manejo e colheita das espécies a serem plantadas. O feijão-caupi é também conhecido como feijão-macassar ou feijão de corda. A maior produção concentra-se no Nordeste, com 84% da área plantada e 68% da produção nacional.

A distribuição de sementes seguirá o calendário de plantio de cada região. Os beneficiados são dos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Convivência com a seca

Além da distribuição de sementes, a participação da Embrapa no Plano Brasil sem Miséria foi ampliada, com a execução de 12 projetos de transferência de tecnologia, focados nas realidades e nas demandas de 14 Territórios da Cidadania priorizados no Semiárido; e de cinco projetos estruturantes, que dialogam com a estratégia planejada para esses territórios. “A ação passa pela disponibilização de outras tecnologias de convivência com a seca, desenvolvidas pela Embrapa e por outras instituições parceiras, como captação e manejo de água de chuva para produção, com as cisternas, as barragens subterrâneas, as fossas verdes, os fogões ecológicos etc”, ressalta Suênia Cibeli Ramos, analista do Departamento de Transferência de Tecnologia (DTT) da Embrapa.

Ela lembra que o fomento às atividades produtivas dos agricultores selecionados no Plano Brasil sem Miséria passa também pelo incentivo da produção de pequenos animais, especialmente a galinha caipira. “Em parceria com várias Organizações Estaduais de Pesquisa Agropecuária (Oepas), a Embrapa está atuando fortemente na qualificação dos agricultores, que atuarão como multiplicadores das tecnologias de manejo da alimentação, de resgate de matrizes locais e de boas práticas de produção”, exemplifica Suênia.

Publicidade

Mandioca

Segundo levantamento feito pelo MDA junto aos parceiros da assistência técnica, uma das principais preocupações dos agricultores durante o longo período de estiagem que assola o Semiárido é a recomposição do material genético para produção vegetal – especialmente de mandioca, que é usada tanto para alimentação humana quanto para nutrição animal. Preocupada com isso, a Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA) vem estruturando uma rede de maniveiros (a Reniva), por meio dos 12 projetos nos 14 territórios, para atender às demandas dos produtores. A principal tecnologia utilizada é a multiplicação rápida de manivas, com viveiros instalados em áreas dos próprios agricultores.

Bolsa Estiagem e Garantia Safra são ampliados

O Bolsa Estiagem e o Garantia Safra, que beneficiam agricultores familiares de baixa renda do Nordeste e do norte de Minas Gerais, serão prorrogados por mais dois meses. Assim, com mais duas parcelas de R$ 80, o total do Bolsa Estiagem passa de R$ 400 para R$ 560. Já o valor do Garantia Safra, com mais duas parcelas de R$ 136, passa de R$ 680 para um total de R$ 952.

Para apoiar os pequenos agricultores do Semiárido, o Exército Brasileiro foi autorizado a contratar mais 906 carros-pipa. Os militares já operam 4.082 veículos e, em parceria com os estados, a operação conta com mais 2 mil carros-pipa. A venda de milho mais barato para ração animal a pequenos pecuaristas atingidos pela seca também foi ampliada até fevereiro.

Nas próximas edições do Todos.com será publicada uma série de matérias abordando com mais detalhamento algumas dessas experiências de sucesso que as equipes da Embrapa vêm promovendo no Semiárido, junto com parceiros das Oepas, das empresas de Ater e de instituições não-governamentais atuantes na região. A cada semana abordaremos uma matéria diferente.
 
Secretaria de Comunicação da Embrapa com informações da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Tags:
Fonte:
Embrapa Tabuleiros Costeiros

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário