Pela 1ª vez, transgênicos ocupam mais da metade da área plantada no Brasil

Publicado em 11/02/2013 07:26 347 exibições
Em 2013, pela primeira vez os cultivos geneticamente modificados devem ultrapassar, em área ocupada, os não transgênicos no Brasil. Segundo a consultoria Céleres, especializada em agronegócio, o total da área plantada com cultivos geneticamente modificadas neste ano chega a 37,1 milhões de hectares, o que representa um aumento de 14% em relação ao ano anterior (que por sua vez, já tinha registrado um aumento de mais de 21% em relação à safra de 2010/2011) – ou seja, 4,6 milhões de novos hectares dedicados a variedades transgênicas. 

Veja a notícia na íntegra no site da BBC Brasil
Tags:
Fonte:
BBC Brasil

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Para qualquer bom etendedor de ARITMÉTICA, as contas desta noticia estão erradas. Definitivamente para a maioria dos jornalistas, números são uma Má Temática. Diz por exemplo que a área aumentou 4,6 mm de ha, que agora sao 37,1 mm e que no ano passado eram 31,8 mm de ha e confunde a informaçao do IBGE que informou em seu ultimo relatório uma ocupacao agricola total no Brasil de 67,7 mm de ha (A soma inclui café, cana, eucalipto, seringueira, todos os reflorestamentos, fruticultura e os grãos, inclusive somando-se as áreas repetidamente como soja e milho safrinha no mesmo ano.

    Segundo a ONU (através da FAO) os maiores produtores entre os países em desenvolvimento são Brasil, Argentina, Índia e China. "Variedades de algodão resistente a insetos são os cultivares transgênicos comercialmente mais importantes na Ásia e na África", diz a FAO. Na América Latina, "são a soja resistente a herbicidas seguida pelo milho resistente a insetos".

    A FAO reconhece que o cultivo de transgênicos cresceu "principalmente por causa dos benefícios da redução de custos de trabalho e produção, da redução no uso de químicos e dos ganhos econômicos".

    0