Em agosto, IBGE prevê safra 15,7% maior que a de 2012

Publicado em 10/09/2013 09:58
295 exibições

Entre as Grandes Regiões, a Centro-Oeste responde por 78,4 milhões de toneladas da produção; o Sul por 72,4 milhões de toneladas; a Sudeste, 19,7 milhões de toneladas; a Nordeste, 12,2 milhões de toneladas e a Norte, 4,6 milhões de toneladas. Em relação à safra passada, houve altas de 10,8% na Região Centro-Oeste, de 31,1% na Sul, de 2,3% na Sudeste e de 2,7% na Nordeste. No Norte houve queda de 3,2%. Nessa avaliação para 2013, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,5%, seguido pelo Paraná (19,6%) e Rio Grande do Sul (15,7%), que somados representaram 59,8% do total.

Estimativa de agosto em relação a julho

Destacaram-se as variações nas estimativas de algodão (-1,8%), feijão 1ª safra (-4,1%), feijão 2ª (-0,8%), feijão 3ª safra (-7,6%), milho 2ª safra (1,7%), sorgo (-16,9%) e trigo (-12,7%).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) - Em agosto, a estimativa da produção nacional de algodão herbáceo é de 3.382.610 toneladas, uma redução de 1,8% em relação a julho, devido ao menor rendimento médio. Na Bahia, a estiagem e as pragas (bicudo e helicoverpa) prejudicaram a produtividade, e o rendimento médio caiu 6,0% em relação ao mês anterior, reduzindo a produção em 62.528 toneladas. Nos demais estados do Nordeste, a produção também ficou prejudicada, principalmente por falta de chuvas, diminuindo a produção em 5,5% (64.061 toneladas).

FEIJÃO (em grão) total – A estimativa da produção nacional de feijão, considerando as três safras do produto, foi de 2.959.310 toneladas, 3,3% menor que a informada em julho. No Nordeste, principal responsável por esta avaliação negativa da produção de feijão, em relação ao levantamento anterior ocorreu uma redução de 9,9%. O Centro-Oeste também teve queda (-6,4%) na estimativa de produção. A 1ª safra de feijão participa com 38,2% da produção nacional de feijão em grão, a 2ª safra participa com 45,0% e a 3ª safra participa com 16,8%.

FEIJÃO (em grão) 1ª safra - Foi estimada uma produção de 1.130.980 toneladas para 2013, caindo 4,1% em relação a julho. O Nordeste, muito afetado pela estiagem, foi o principal responsável pela redução da estimativa, com destaque para Pernambuco (75,2%), Bahia (34,6%), Ceará (19,0%) e Piauí (15,1%).

FEIJÃO (em grão) 2ª safra - A estimativa de produção foi de 1.330.939 toneladas, com redução de 0,8% frente a julho. Essa pequena redução deveu-se, principalmente, à alteração nos números do Nordeste (-2,7%), à exceção de Pernambuco (+7,3%) que, em virtude das chuvas regulares nos últimos meses, estima uma boa safra na região do Agreste do estado.

FEIJÃO (em grão) 3ª safra - A produção esperada de 497.391 toneladas, para este terceiro período de plantio do feijão, é menor 7,6% que a de julho. Estima-se uma diminuição na área plantada de 0,7%, e no rendimento médio de 6,9% em relação ao último levantamento. O Estado de Goiás diminuiu a sua estimativa de produção em 21,1%, o Paraná em 10,2% e o Distrito Federal em 36,3%.

MANDIOCA (raízes) – A estimativa é de 21.212.389 toneladas, com aumento de 0,2% em relação ao mês anterior. As áreas plantada e colhida estão crescendo 0,3% e 0,4%, respectivamente, enquanto o rendimento médio esperado caiu 0,2%.

Em alguns estados do Nordeste ainda persistem os efeitos da seca iniciada em 2012. Na região Norte, responsável por 35,1% da mandioca produzida no país, não houve alteração significativa em relação a julho, enquanto no Centro-Oeste e Sudeste, houve quedas de 0,9% e 0,1%, respectivamente. No Sul, a estimativa da produção da mandioca aumentou 2,9%, devendo alcançar 5.513.687 toneladas, ou 26,0% do total colhido no país, com destaque para o Paraná, que espera uma produção de 3.838.758 toneladas, 4,2% maior que a estimativa de julho.

MILHO TOTAL (em grão) - A estimativa da produção de milho foi de 80.755.776 toneladas somadas as duas safras, 0,9% maior que a do mês anterior, mantendo a estimativa de safra recorde. Este aumento é devido ao incremento de 1,7% na produção da 2ª safra, uma vez que a 1ª safra reduziu sua estimativa em 0,1%. Do volume total, 34,4 milhões de toneladas (42,6%) são de milho 1ª safra e 46,3 milhões de toneladas (57,4%) são de milho 2ª safra. Assim, 2013 é o segundo ano consecutivo em que a produção de 2ª safra é maior que a 1ª safra.

SORGO (em grãos) - As maiores variações negativas na estimativa couberam a Goiás, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul, que fizeram reavaliações de seus dados. A estimativa de produção de sorgo em agosto ficou em 2.086.077 toneladas, indicando queda de 16,9% em relação à informação anterior. A área a ser colhida deve alcançar 766.839 hectares, indicando uma redução de 14,7% em relação a julho, enquanto o rendimento médio esperado decresceu 2,6%, devendo ficar em 2.720 kg/ha.

TRIGO (em grão) - Aguarda-se para agosto uma produção de 5.104.545 t, com um rendimento médio de 2.354 kg/ha, menores, respectivamente, em 12,7% e 14,0%, em relação a julho. Já a área plantada (2.170.216 ha) cresceu 1,6%.

A Região Sul, maior produtora, responsável por 95,1% da produção nacional, aguarda uma produção de 4.854.162 t e um rendimento médio de 2.329 kg/ha, menores, respectivamente, em 12,8% e 14,3%, já a área plantada de 2.084.028 ha, encontra-se 1,8% maior, quando comparados aos dados do mês anterior.

Estimativa de agosto em relação a 2012

Entre os vinte e seis produtos selecionados, as estimativas de dezesseis subiram em relação ao ano anterior: amendoim em casca 1ª safra (11,2%), arroz em casca (2,7%), aveia em grão (8,2%), batata-inglesa 1ª safra (2,5%), batata-inglesa 2ª safra (4,7%), cacau em amêndoa (2,4%), cana-de-açúcar (10,3%), cevada em grão (7,2%), feijão em grão 2ª safra (19,0%), feijão em grão 3ª safra (2,6%), milho em grão 1ª safra (3,7%), milho em grão 2ª safra (21,6%), soja em grão (23,8%), sorgo em grão (2,3%), trigo em grão (16,5%) e triticale em grão (4,9%). Dez produtos mostraram quedas nas estimativas: algodão herbáceo em caroço (31,9%), amendoim em casca 2ª safra (11,3%), batata-inglesa 3ª safra (16,2%), café em grão - arábica (4,6%), café em grão - canephora (14,5%), cebola (7,0%), feijão em grão 1ª safra (7,2%), laranja (5,7%), mamona em baga (41,1%) e mandioca (9,4%).

Em relação a 2012, em números absolutos, as altas mais significativas ocorreram em cana-de-açúcar, soja, milho e trigo, enquanto mandioca, algodão herbáceo, laranja e café tiveram as maiores variações negativas.

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – A estimativa da produção nacional (3.382.610 toneladas) caiu 31,9% em relação a 2012. Em termos absolutos, diferença de 1.581.337 toneladas e redução da área colhida de 422.084 ha. Os decréscimos são creditados à regularização dos estoques com as safras colhidas em 2011 e 2012, à crise europeia e às altas cotações da soja, que concorreu, em 2013, com áreas anteriormente destinadas à cultura do algodão. O Mato Grosso, principal produtor, participou com 53,1% da produção nacional de algodão em caroço. A redução de 33,3% na área plantada e colhida no estado, em relação ao ano anterior, deveu-se à baixa cotação do produto na época do plantio.

ARROZ (em casca) - A safra nacional, de 11.702.911 toneladas, foi 2,7% maior que a obtida em 2012. A área plantada foi 0,6% menor e a colhida, inferior 0,5%. O rendimento médio, de 4.964 kg/ha aumentou 3,3%. O Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional, com 69,2% do total produzido no país. No estado, o rendimento médio de 7.474 kg/ha foi o maior do País, assim como a área colhida, de 1.084.298 ha.

CAFÉ (em grão) – Em 2013, a área total ocupada com café arábica e canephora no país, de 2.294.126 ha, foi 1,8% inferior à registrada em 2012. A área a ser colhida, estimada em 2.036.963 ha, foi menor 2,7%.

A produção total para 2013 foi estimada em 2.846.362 toneladas, ou 47,4 milhões de sacas de 60kg de café em grãos beneficiados. As duas espécies em conjunto apresentaram um decréscimo de produção de 7,0% em relação à safra colhida no ano passado.

CANA-DE-AÇÚCAR - Em 2013, a produção nacional de cana-de-açúcar apresenta um crescimento de 10,3% em relação ao ano anterior, alcançando 739.526.960 toneladas. O aumento da safra deste ano será importante para a recuperação do setor, que ainda sente os efeitos da crise mundial de 2008, que restringiu os investimentos. A área que está sendo colhida este ano possui um crescimento de 4,0% e o rendimento médio 6,0%, sendo beneficiados por uma maior renovação dos canaviais e pelas melhores condições climáticas.

LARANJA – A safra nacional de laranja, estimada em 18.044.068 toneladas, apresentou decréscimo de 5,7%, 1.083.220 toneladas a menos que a safra colhida em 2012. Grandes estoques de suco, nacionais e internacionais, a crise europeia e os bloqueios alfandegários nos EUA são importantes fatores de desestímulo à produção citrícola de 2013.

MANDIOCA (raízes) – A produção nacional, estimada em 21.212.389 toneladas, apresentou variação negativa de 9,4% quando comparada à obtida em 2012, o que representou uma diferença absoluta de 2.201.878 toneladas. A área plantada foi menor 14,3%, quando comparada a 2012, bem como a área de colheita, que caiu 11,0%. A estiagem na Região Nordeste, que já dura dois anos, impediu a recuperação da oferta de raízes desta cultura, considerada “temporária de longa duração”, cujo ciclo costuma ultrapassar a 12 meses.

MILHO (em grão) - A produção nacional, que totalizou 80.755.776 toneladas, foi 13,3% maior que a obtida em 2012. Em termos absolutos este acréscimo foi de 9.459.298 toneladas com incremento na área colhida de 1.090.533 ha (7,7%). A primeira safra, de 34.438.283 toneladas, apresentou acréscimo de 1.225.598 toneladas (3,7%), embora a área plantada tenha sido inferior em 846.005 ha (11,0%). Para a segunda safra, que totalizou 46.317.493 toneladas, a variação absoluta foi de 8.233.700 toneladas (21,6%) para uma área plantada maior 1.485.765 ha (20,1%). Este foi o segundo ano consecutivo em que se observou o maior volume de produção do 2ª safra em comparação ao 1ª safra.

SOJA (em grão) - A cultura atingiu um novo recorde este ano com uma produção de 81.312.070 toneladas, 23,8% superior a 2012, o que representa 15.611.465 toneladas. A área plantada foi maior 2.708.323 ha (10,8%). A área destinada à colheita superou a do ano anterior em 2.783.287 ha (11,2%) e o rendimento médio passou dos 2.635 kg/ha para os atuais 2.933 kg/ha, acréscimo de 11,3%. Os bons preços praticados e as melhores condições climáticas, notadamente na Região Sul, quando comparadas a 2012, justificaram estes acréscimos.

TRIGO (em grão) - A produção nacional de trigo para 2013 foi estimada em 5.104.545 toneladas, maior 16,5% que a safra colhida em 2012, diferença absoluta de 724.289 toneladas. Todas as variáveis levantadas foram positivas, a saber: 13,0% a mais na área plantada; 14,6% na área destinada à colheita e 1,6% no rendimento médio. As boas perspectivas de preços na época de plantio impulsionaram o plantio do cereal.

Tags:
Fonte: IBGE

Nenhum comentário