Em VEJA: Maduro sufoca venezuelanos, mas Brasil silencia e PT aplaude

Publicado em 16/03/2014 10:31 654 exibições
Enquanto os venezuelanos são detidos sem acusações, torturados nas prisões e assassinados por franco-atiradores e milicianos chavistas, o Brasil silencia e o PT aplaude

A trilha sonora da repressão estatal na Praça Altamira, tradicional ponto de encontro da oposição venezuelana, em Caracas, é sempre a mesma. Alto-falantes instalados em cima de tanques blindados da Guarda Nacional Bolivariana (GNB), usados contra motins, difundem uma música com a voz do falecido presidente Hugo Chávez (“Pátria, pátria, pátria querida, você é o meu céu, meu sol, minha pátria, minha vida, meu amor”, canta ele) ou o hino nacional. Não o venezuelano, mas o cubano.

A toada inspira os policiais e as milícias a favor do governo, ao mesmo tempo em que irrita os manifestantes. Outro objetivo é aplacar o som dos tiros disparados contra opositores do presidente Nicolás Maduro. Há mais de um mês, o ritual tem início sempre por volta das 5 da tarde. Jovens formam barricadas e juntam pedras. Quando eles começam a queimar pneus, centenas de motos, tanques e carros da GNB e da polícia acionam jatos d’água, gás lacrimogêneo e dão tiros para dispersar a multidão.

Nas cidades pequenas com prefeitos chavistas, a violência é ainda mais brutal. Quase trinta pessoas já morreram no país, mais de 1 300 foram detidas, incluindo menores. Há quarenta denúncias de tortura e 120 jornalistas agredidos. Ainda que Maduro tenha dito as mais absurdas acusações contra os manifestantes, nenhum deles apareceu em momento algum com uma pistola. Desarmados e sem a proteção de uma imprensa ou de uma Justiça independente, os venezuelanos continuam indo às ruas. Entregam-se a um massacre inevitável. Até quando?  

 REPRESSÃO - Jovens tentam se proteger dos gases em ataque a passeata pacífica em Caracas, na quarta-feira 12

REPRESSÃO - Jovens tentam se proteger dos gases em ataque a passeata pacífica em Caracas, na quarta-feira 12  

Maduro responsabiliza manifestantes por todas as mortes em protestos

Em entrevista coletiva, herdeiro de Chávez ameaça 'castigar' responsáveis, volta a criticar os EUA e revela engodo da proposta para diálogo ao dizer que não aceita condições para conversar com a oposição

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, voltou a responsabilizar a oposição pelas 28 mortes ocorridas em meio aos protestos contra seu governo. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, ele afirmou que “todos os casos de pessoas mortas, assassinadas, todos esses casos são de responsabilidade da violência guarimbera", usando o termo chavista para designar as barricadas que se tornaram uma das principais formas de manifestação em várias cidades do país, incluindo a capital Caracas. "Todos os casos, do primeiro até o último. Todos eles são imputáveis ao golpe de estado que está se desenrolando na Venezuela”. 

Demonstrando insegurança na cadeira presidencial, o herdeiro político de Maduro tem avançado na repressão aos manifestantes, que há mais de um mês vão às ruas reclamar dos problemas econômicos, como escassez de produtos básicos e alta inflação, da criminalidade e da falta de liberdade. O presidente já convocou publicamente as milícias para agir contra os estudantes. Homens armados agem com o aval da cúpula chavista e disparam contra os jovens. Muitos também são alvo de tortura depois de detidos. 

Leia também: Fotos mostram opositor Leopoldo López em prisão militar

Tudo isso, é claro, é ignorado pelo presidente ao falar sobre os protestos. “Os autores materiais e intelectuais das mortes, todos, serão castigados”, ameaçou Maduro, segundo o El Nacional, acrescentando que mais de 1.500 pessoas foram detidas e 105 permanecem atrás das grades, algumas delas, disse, "por terem cometido homicídio". Outros 21 detidos são guardas e policiais que “cometeram abuso ou excessos”, admitiu o presidente sem deixar de fazer a seguinte ponderação: “a ordem do Executivo é que o uso da força deve corresponder a nossas obrigações constitucionais de defesa do direito dos cidadãos à paz”. 

Estados Unidos – Usando a velha retórica chavista, Maduro também insistiu em apontar a mira para o inimigo externo do governo venezuelano. “O que aconteceu revelou a real natureza da política do Departamento de Estado americano. É evidente o intervencionismo desesperado dos Estados Unidos. Se eles Tivessem êxito e derrotassem nosso governo, teria início o pior período de instabilidade econômica em 200 anos na América Latina. Desestabilizar e reverter a Revolução Bolivariana teria graves consequências”, salientou o homem que dá continuidade às políticas econômicas que estão levando a Venezuela ao abismo.

Saiba mais: Diplomacia patina e Brasil se apequena diante da crise venezuelana

Ontem, em audiência na Comissão de Assuntos Exteriores da Câmara, o secretário de Estado americano, John Kerry, disse que os EUA estão comprometidos "em encontrar uma forma para conseguir que o governo Maduro dialogue com seus cidadãos e detenha esta campanha de terror contra seu próprio povo”. Na quarta, em outra audiência com congressistas, ele havia mencionado a possibilidade de impor sanções à Venezuela, ponderando, contudo, que “a economia já está bastante frágil” e que sanções comerciais poderiam prejudicar não só o governo, mas também a população mais pobre. Em resposta, o chanceler venezuelano Elías Jaua baixou o nível e chamou secretário americano de “assassino”. “O denunciamos como assassino do povo venezuelano, senhor Kerry. Não baixaremos o tom a nenhum império enquanto vocês não ordenarem seus lacaios na Venezuela que parem com a violência contra o povo”. 

Falsos diálogos – Por fim, Maduro mostrou o quão vazias são suas propostas de diálogos com a oposição. Nas últimas semanas o governo tem usado a recusa da oposição em se reunir como um atestado de que os adversários do chavismo não são democráticos. “Não aceitaremos condições por nada desse mundo para conversar”, declarou, em referência a uma série de cinco pontos que a coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática apresentou como condição para sentar-se à mesa com o governo. Entre eles estão a libertação do dirigente opositorLeopoldo López e investigações independentes sobre a repressão às manifestações. 

Entre outros pontos abordados na entrevista, Maduro disse, evitando usar a palavra "aumento", que o governo ainda tem a intenção de "adaptar" o preço da gasolina subsidiada vendida no país. "Em um momento dado, faremos um sistema para adaptar o preço da gasolina e começar a cobrá-la. Não é aumentá-la, é começar a cobrá-la". No país, um litro do combustível custa o equivalente a 3 centavos de real. 

Maduro durante entrevista coletiva

Maduro durante entrevista coletiva  (AFP)

Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.

Tags:
Fonte:
veja.com.br

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Edison tarcisio holz Terra Roxa - PR

    e seu maduro ta pasando de maduro vai apodrecer logo!!!!!!!!!!!!

    0