VEJA: Greve geral contra governo Kirchner paralisa a Argentina nesta 5a.-feira

Publicado em 10/04/2014 11:42 469 exibições
Região metropolitana de Buenos Aires é uma das áreas mais afetadas. Forte adesão dos trabalhadores do setor de transporte deixou ruas da capital vazias

Uma greve geral convocada por sindicatos e políticos opositores ao governo de Cristina Kirchner paralisa serviços essenciais nesta quinta-feira na Argentina. De acordo com o jornal La Nación, a greve é sentida com força na região metropolitana de Buenos Aires e a paralisação de trens, metrôs, ônibus e voos deixou as ruas da capital e das cidades próximas vazias. Os sindicatos e setores de oposição protestam contra a desvalorização do peso frente ao dólar, a inflação e a insegurança no país.

Os sindicalistas reivindicam a possibilidade de cada setor negociar os salários livremente, sem um teto máximo estabelecido pelo governo. Os trabalhadores também querem que o governo conceda dois reajustes salariais até o final do ano, levando em conta a projeção de 40% de inflação no país para 2014, segundo consultorias privadas de análise de dados macroeconômicos.

Leia também
Casos de linchamento estremecem a Argentina

Cristina Kirchner lança cédula para reivindicar as Malvinas

Escolas, bancos e a coleta de lixo também estão com serviços suspensos em muitas cidades do país. Em alguns hospitais, apenas o serviço de emergência está operando normalmente, mas é impossível fazer uma consulta ou um exame. "Existe um elevado grau de adesão", disse Luis Barrionuevo, ex-senador e dirigente da Central Geral dos Trabalhadores (CGT), uma das principais do país. Devido à forte adesão dos trabalhadores do setor dos transportes, a greve nacional já é considerada um sucesso pelos organizadores e um duro golpe contra o governo. No setor privado, "estão parados a Ford, a Kraft, a Volkswagen, a PepsiCo e outras empresas", disse o deputado e líder da Frente de Esquerda, Néstor Pitrola.

Os principais acessos à cidade de Buenos Aires estão bloqueados por piquetes de manifestantes. A ponte Pueyrredón, importante rota que liga a capital à região sul da Grande Buenos Aires, foi bloqueada às 7 horas da manhã. Cerca de 200 militantes do Partido Obrero impedem a passagem de veículos na ponte em ambas as direções.

Leia mais

Presidente argentina Cristina Kirchner faz primeiro pronunciamento após um mês sem aparições públicas, na Casa Rosada, em Buenos Aires

Presidente argentina Cristina Kirchner faz pronunciamento na Casa Rosada, em Buenos Aires (Enrique Marcarian/Reuters)


Atolada em crise econômica, Cristina Kirchner tenta ganhar com o futebol 

Tensão – O clima de tensão domina algumas cidades do país e tanto os grevistas quanto o governo temem que as manifestações resultem em ações violentas. Os sindicalistas acusam o governo de orquestrar possíveis ataques contra táxis e restaurantes para depois culpar os grevistas. Poucas horas após o início da greve, os manifestantes e grupos de esquerda entraram em confronto com tropas de polícia na Avenida Henry Ford, no subúrbio da capital. Um policial foi ferido durante o tumulto. 

Tags:
Fonte:
veja.com.br

0 comentário