Ibope e Datafolha mostram disputa maior pelo 2º lugar entre Marina e Aécio

Publicado em 30/09/2014 22:43 1325 exibições
Reuters

SÃO PAULO (Reuters) - Os institutos Ibope e Datafolha divulgaram novas pesquisas nesta terça-feira com alguns denominadores comuns: a liderança firme da presidente Dilma Rousseff (PT) nas intenções de voto para o primeiro turno, com vantagem na segunda rodada; e redução da diferença de Marina Silva (PSB) sobre Aécio Neves (PSDB).

Mesmo sem ser iguais, os números das duas pesquisas estão bastante próximos em relação ao primeiro turno da eleição presidencial e apontam para a mesma direção. Por ora, tudo indica que haverá um segundo turno, mas está cada vez mais incerto quem será o adversário de Dilma na segunda rodada.

Nas intenções de voto para o primeiro turno, apenas Marina teve variações mais fortes, mas no final o quadro é relativamente parecido.

Dilma está com 39 por cento no Ibope e com 40 por cento no Datafolha, Marina tem 25 por cento nas duas pesquisas e Aécio aparece com, respectivamente, 19 e 20 por cento. Nos últimos levantamentos dos dois institutos, a vantagem da candidata do PSB sobre o tucano era, também respectivamente, de 10 e de 9 pontos percentuais.

Já para o segundo turno, há diferenças significativas no confronto entre as candidatas. Enquanto o Ibope mostra vantagem numérica de Dilma, mas as duas no limite do empate técnico (42 a 38 por cento), já que a margem de erro é de 2 pontos, no Datafolha a presidente derrota Marina por 49 a 41 por cento.

Quando a disputa é entre a petista e o tucano, os números também são diferentes, mas a vantagem de Dilma é praticamente a mesma: 45 a 35 por cento no Ibope e 50 a 41 por cento no Datafolha.

Uma eleição que já teve várias reviravoltas reservou para a última semana de campanha para o primeiro turno uma grande incerteza: quem enfrentará a petista no segundo turno.

Para o diretor do Datafolha, Mauro Paulino, mantidas as tendências atuais, a disputa entre Marina e Aécio para chegar ao segundo turno pode ser a mais acirrada desde a eleição de 1989, quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) passou para a segunda fase com uma vantagem mínima sobre Leonel Brizola (PDT).

(Por Alexandre Caverni)

 

Presidenciáveis carecem de comunicação efetiva com Classe C, diz Data Popular

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - Os principais candidatos à Presidência da República vêm tendo dificuldades para estabelecer uma comunicação efetiva com o eleitorado da Classe C, grupo que representa nada menos que 56 por cento das pessoas que podem ir às urnas, avalia Renato Meirelles, presidente do instituto de pesquisa Data Popular, especializado neste segmento.

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, assumiu a liderança entre esse eleitorado nas últimas pesquisas, saindo de um empate com a rival do PSB, Marina Silva. Para Meirelles, porém, a razão para isso é a "gratidão" daqueles que ascenderam à classe média nos quase 12 anos de governo do PT.

"Na minha avaliação nenhuma das candidaturas se comunica bem com a Classe C, nenhuma", disse Meirelles em entrevista por telefone.

"A história dos 12 anos do Lula com Dilma são mais fortes hoje do que a capacidade de comunicação que a oposição está tendo. Não quer dizer que a Dilma consegue se comunicar efetivamente, não é isso. Essas pessoas entraram na classe média muito por conta da última década de governo do país."

Segundo o Data Popular, a Classe C é o grupo de renda familiar entre 1.792 reais e 3.273 reais mensais. Levantamento do Datafolha divulgado no último dia 26 mostrou que entre o grupo com renda familiar de mais de dois a cinco salários mínimos --o que mais se enquadra na definição do Data Popular-- Dilma tem 37 por cento das intenções de voto, contra 30 por cento de Marina e 20 por cento de Aécio Neves (PSDB).

Nessa faixa, segundo o Datafolha, a soma de brancos, nulos e indecisos é de 10 por cento. Na pesquisa anterior do instituto, Dilma e Marina estavam empatadas na preferência deste eleitorado, com 34 por cento cada. O distanciamento da petista em relação à candidata do PSB na simulação de segundo turno também coincide com a liderança de Dilma entre a Classe C.

Para Meirelles, apesar da gratidão desse eleitorado emergente em relação ao governo petista, a oposição tem condições de capturar essa parcela de eleitores.

Ele explica que o eleitorado mais jovem da Classe C não tem a lembrança do desemprego como o mais velho e, embora reconheça que o ambiente econômico na última década foi favorável, atribui a sua melhora de vida mais a seu esforço do que ao governo. 

"Essa Classe C tem uma vontade de mudar, de experimentar alguma coisa diferente, mas não está enxergando nas candidaturas de oposição uma alternativa segura de mudança", disse.

"Boa parte do tempo da propaganda eleitoral tem sido para desqualificar o outro candidato... e isso só afasta a Classe C do universo político e faz com que ela tenha dúvidas sobre para que lado ir."

MITO E CANDIDATA

Para o presidente do Data Popular, a Classe C está órfã de uma oratória mais propositiva por parte dos presidenciáveis. Também pesa a dificuldade que eles têm para traduzir para o cotidiano os temas que têm centralizado a disputa.

"As pessoas ficam discutindo índice de inflação em vez de discutir o impacto que isso tem na vida das pessoas. Se fala da corrupção e da questão da Petrobras, mas as pessoas não conseguem traduzir isso para uma questão cotidiana", disse.

"O eleitorado da Classe C está mais interessado em saber que diabos determinados assuntos têm a ver com a vida dele, com as propostas que elas (candidaturas) têm para o futuro do país", afirmou.

A falta de comunicação efetiva com a Classe C, porém, não significa que não haja lampejos. Um exemplo foi Aécio no debate na TV Record.

O tucano comparou os recursos que teriam sido desviados com a corrupção na Petrobras com o número de creches que poderiam ser construídas com esse dinheiro e com o número de crianças que poderiam ser atendidas. 

 

Tags:
Fonte:
Reuters

1 comentário

  • salvador reis neto santa teresa do oeste - PR

    imprecionante que marina caiu nas pesquisas, mas o tal do aecio nao subiu um pomtinho sequer ai ta dficil¹¹¹

    0