Veja as imagens que marcaram o manifesto contra o emplacamento em todo o Brasil

Publicado em 11/12/2014 09:26 e atualizado em 11/12/2014 18:17 4497 exibições

Neste 11 de dezembro, um manifesto contra a resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), aprovada na última semana pelo Congresso Nacional, que prevê o emplacamento de tratores e máquinas agrícolas mobilizou os produtores rurais de diversas partes do Brasil. Foram registrados protestos nos estados de Goiás, Pará, Paraná e, principalmente no Rio Grande do Sul, onde os trabalhos foram registrados em cerca de 57 trevos das principais rodovias. 

Os agricultores levaram suas máquinas e tratores para as estradas na tentativa de chamar a atenção da população e das lideranças políticas e do agronegócio para mais esse custo que, caso a normativa entre mesmo em vigor, recai sobre o setor e, consequentemente, resultará em alimentação mais cara para a população brasileira. 

O movimento, organizado pelas bases, vinha sendo planejado já há algumas semanas e foi mantido mesmo depois da notícia que chegou na tarde desta quarta-feira (10) de que o início da vigência da resolução teria sido adiado em um ano, passando, portanto, para 1º de janeiro de 2016 e não mais de 2015. A informação chegou depois de uma reunião do deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) com o Ministério das Cidades. No entanto, para os produtores, essa é uma medida apenas paliativa, que prorroga uma resolução que deve ser revista e  extinta. 

>> Entrevista com o Deputado Federal Jerônimo Goergen

"Quero lembrar que não devemos insistir e chamar esta resolução do CONTRAN de lei. É uma resolução e como tal não devia de ter toda esta força. PRECISANDO, portanto, uma LEI de verdade do Congresso para ser revogada. Deu muito trabalho em 2012 fazer passar a Lei do deputado Alceu Moreira (PMDB-RS) para um outro gaúcho, do partido da Dilma, o Advogado Geral da União, Luiz Inácio Adams, simplesmente recomendar o VETO completo da Lei. Isto sim devia de ser motivo de lembrança a toda hora", afirma Telmo Heinen, de Formosa, em Goiás, onde o protesto também aconteceu.

Para Valdir Fries, produtor rural de Itambé e um dos organizadores do manifesto no Paraná, "a mobilização foi mantida porque acreditamos que a medida tomada, embora nos dê um tempo, não resolve. Louvamos a decisão tomada e a articulação dos deputados da Frente Parlamentar da Agricultura, mas o manifesto acontece em apoio à medida de alteração da lei isentando definitivamente qualquer cobrança de novos impostos em relação às máquinas agricolas".

No estado, mais de 200 produtores rurais e ao menos 100 máquinas agrícolas estiveram no manifesto contra o emplacamento de veículos rurais, na BR-317, que liga Maringá a Cascavel. 

O Rio Grande do Sul foi o estado onde a movimento teve mais força, já que, assim como no Paraná, as máquinas trafegam com mais frequência nas rodovias para se deslocarem de uma área de produção para outra. Foram 57 pontos de manifestação. 

Em Palmeira das Missões, por exemplo, o manifesto contra o emplacamento de veículos agrícolas levou 1200 produtores com 250 máquinas para o entroncamento da RS-569 com a BR-468. O movimento, chamado de "Chega de explorar quem produz" foi um sucesso e buscou mostrar que as lideranças agrícolas precisam ter mais voz na discussão de resoluções como essa, segundo relatou o presidente do Sindicato Rural do município, Hamilton Jardim.

Na cidade de Passo Fundo, cerca de 100 produtores e mais de 70 máquinas estiveram concentrados no entroncamento da BR-285 com RS-324 e também na BR- 153. Em Tupanciretã, o manifesto contra o emplacamento de veículos agrícolas foi chamado de "Emplacamento ZERO, CPMF ZERO, Corrupção ZERO" e aconteceu nas regiões de Espinilho Grande e Santa Tecla. Os produtores e máquinas estiveram na RSC-377, rodovia que passa no meio das lavouras.

No Pará, o manifesto aconteceu em Paragominas e mais de 100 pessoas e cerca de 20 máquinas marcaram o dia de protestos na BR-010, rodovia Belém/Brasília.

Abaixo, veja uma seleção de mais de 50 imagens enviadas pelos produtores rurais que participaram do manifesto e, nos links, confira as entrevistas feitas durantes os protestos.

>> Passo Fundo/RS - Jair Rodrigues

>> Tupanciretã/RS - Almir Rebelo

>> Palmeira das Missões/RS - Hamilton Jardim

>> Paraná - Valdir Fries

>> Paragominas/PA - André Carlotto

RIO GRANDE DO SUL

Em Tupanciretã

Protesto contra o emplacamento - Tupanciretã/RS

Protesto contra o emplacamento - Tupanciretã/RS

Protesto contra o emplacamento - Tupanciretã/RS

Protesto contra o emplacamento - Tupanciretã/RS

Protesto contra o emplacamento - Tupanciretã/RS

Em Santiago

Protesto contra o emplacamento - Santiago/RS

Protesto contra o emplacamento - Santiago/RS

Protesto contra o emplacamento - Santiago/RS

Em Passo Fundo

Protesto contra o emplacamento - Passo Fundo/RS

Protesto contra o emplacamento - Passo Fundo/RS

Protesto contra o emplacamento - Passo Fundo/RS

Produtores rurais da região promovem protestos na BR 287 contra o emplacamento de veículos agrícolas

No blog de Rafael Nemitz

Produtores rurais da região, capitaneados pelo Sindicato Rural de Santiago, Unistalda e Capão do Cipó, promove até o meio-dia desta quinta-feira, 11, um manifesto na BR 287, junto ao trevo de acesso a Capão do Cipó, contra o emplacamento de máquinas agrícolas proposto pelo Governo Federal.

Um grande número de máquinas agrícolas tomou conta do trevo, algumas com faixas de protesto. O trânsito não chegou a ser interrompido totalmente, mas houve lentidão já que os manifestantes paravam os carros entregando um panfleto que explicava os motivos da atividade.

Segundo o presidente do Sindicato, Júlio Freitas Lima, é um absurdo obrigar o produtor rural a emplacar veículos que trabalham, na maioria, no campo, garantindo a produção de alimentos que vão para a mesa de todos os brasileiros.

Leia a notícia na íntegra e veja mais imagens no blog de Rafael Nemitz.

Em Júlio de Castilhos

Protesto contra o emplacamento - Júlio de Castilhos/RS

Protesto contra o emplacamento - Júlio de Castilhos/RS

Protesto contra o emplacamento - Júlio de Castilhos/RS

Protesto contra o emplacamento - Júlio de Castilhos/RS

Em Carazinho, entre a BR-285 a BR-386

Protesto contra o emplacamento - Carazinho/RS

Protesto contra o emplacamento - Carazinho/RS

Protesto contra o emplacamento - Carazinho/RS

Protesto contra o emplacamento - Carazinho/RS

Protesto contra o emplacamento - ?

Protesto contra o emplacamento - ?

Protesto contra o emplacamento - ?

Em Palmeira das Missões - No entroncamento da RS 569 e BR 468 no trevo principal de acesso ao município

Protesto contra o emplacamento - Palmeira das Missões/RS

Em Alegrete: Produtores protestam contra o emplacamento de tratores e máquinas agrícolas

No site Alegrete Tudo

Protesto contra o emplacamento - Alegrete/RS

Protesto contra o emplacamento - Alegrete/RS

Em Alegrete, os produtores levaram máquinas e tratores para a entrada das granjas ao longo da BR 290 na manhã desta quinta-feira (11). As faixas evidenciam o motivo do protesto dos arrozeiros: o emplacamento de tratores e máquinas agrícolas.

Já os produtores de Manoel Viana, realizam o protesto no trevo de acesso a São Francisco de Assis RS 377 e São Borja RST 176 em frente ao Parque do Sindicato Rural de Manoel Viana. O movimento é denominado de ´Chega de explorar quem produz é realizado em todo estado.

Leia a notícia na íntegra e veja mais imagens no site Alegrete Tudo

PARANÁ

Em Itambé, na BR 317

protesto

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

protesto Itambé-PR

 

Protesto contra o emplacamento - Carazinho/RS

Protesto contra o emplacamento - Carazinho/RS

Protesto contra o emplacamento - Itambé/PR

Protesto contra o emplacamento - Itambé/PR

Em Floresta, na PR-317

Protesto contra o emplacamento - Floresta/PR

Protesto contra o emplacamento - Floresta/PR

Protesto contra o emplacamento - Floresta/PR

Protesto contra o emplacamento - Floresta/PR

Em Faxinal 

Faxinal - PR

Faxinal-PR

Faxinal-PR

Faxinal-PR

 

 

PARÁ

Em Paragominas na BR-010

 

Protesto contra o emplacamento - Paragominas (PA)

Protesto contra o emplacamento - Paragominas (PA)

Protesto contra o emplacamento - Paragominas (PA)

Protesto contra o emplacamento - Paragominas (PA)

GOIÁS

Em Formosa, o manifesto acontece nas BR-020 e BR-251

Protesto contra o emplacamento - Formosa/GO

Protesto contra o emplacamento - Formosa/GO

Protesto contra o emplacamento - Formosa/GO

Protesto contra o emplacamento - Formosa/GO

Protesto contra o emplacamento - Formosa/GO

Protesto contra o emplacamento - Formosa/GO

Comissão mista isenta de tratores e máquinas agrícolas de emplacamento

CNA trabalhou para aprovar proposta no texto da MP 656, que agora segue para avaliação da Câmara dos Deputados

Brasília (11/12) – Os tratores e máquinas agrícolas poderão ficar isentos, a partir de 1º de janeiro de 2015, do registro e do licenciamento anual junto aos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans). Emenda apresentada à Medida Provisória (MP) 656 já aprovada por Comissão Mista do Congresso, na prática desobriga o emplacamento de tratores e daqueles veículos automotores destinados a puxar ou arrastar máquinas destinadas à execução de tarefas dentro da propriedade rural, como as colheitadeiras.  

A proposta também prevê, entre outros pontos, a prorrogação de normas de isenção tributária e regulamenta medidas para estimular o crédito imobiliário. O relatório, com a emenda, foi aprovado nesta quarta-feira (10/12), com o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Depois de passar pelo crivo da Comissão Mista, a MP segue, agora, para a Câmara dos Deputados.

A CNA defende a medida para evitar que o produtor rural seja ainda mais onerado, uma vez que, atualmente, ele não paga taxas anuais de trânsito, como o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).  A entidade entende que a obrigatoriedade do registro e do licenciamento tem caráter meramente arrecadatório, uma vez que os tratores e máquinas agrícolas estão quase que em tempo integral dentro das propriedades, sem circular em vias públicas.

Segundo a CNA, os tributos relacionados a emplacamento, licenciamento, entre outros, correspondam a aproximadamente 3% do valor de cada máquina. Levantamento feito pela área técnica da Confederação mostra que, dependendo do estado, o produtor rural teria despesas adicionais com taxas anuais de trânsito acima de R$ 300. Os mais prejudicados com a medida seriam os pequenos e médios agricultores.

A proposta prevê, ainda, a criação de um cadastro específico para máquinas agrícolas, com o objetivo de coibir roubos e furtos e dar mais segurança aos proprietários rurais para o comércio de maquinário usado, garantindo a procedência do produto para o comprador.

Tags:
Por:
Carla Mendes e Sandy Quintans
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

3 comentários

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. Valdir Edemar Fries, se conselho fosse bom não seria dado, mas “carne de bife batido”, sabe o quê é o sabor. Palavras de um velho matuto!

    Louvo sua atitude e ideal em combater as injustiças impostas, que não são poucas, mas “ESTÁ TUDO DOMINADO”!

    Os que estão no poder usam a informação e, mexem as peças no tabuleiro – nós somos as peças – acredito que só com a politização da população esta situação se reverte e, para tanto, primeiro deve-se aumentar o capital humano, para que o individuo possa discernir.

    Sua atitude lhe mostrou mais uma face daqueles que “mexem as peças”.

    PARABÉNS !! Por ter entendido mais esta faceta, mas infelizmente eles são exímios “lapidadores” !!!

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Foi muito alentador. Fiquei lisonjeado em ver que os sucessores dos colegas produtores das décadas de 1980/1990/2000 de tão memoráveis lutas que empreendemos, encontra seguidores nos dias atuais. Eu não me engano e sempre pergunto, quantos brasileiros acordam de manhã cedo e tem que decidir a tarefa do dia? São muito menos de 5,0 milhões de brasileiros. Eles carregam o país nas costas com sua atividade laboral. Os demais "trabalhadores" na sua grande maioria apenas cumprem um determinado objetivo. Chegar no seu emprego.... outros, de chegar no seu trabalho... os realmente produtivos são estes últimos! O Manifesto serviu para demonstrar nossa força independentemente de uma coordenaçao da Confederação Nacional. Demonstrou que caso haja necessidade, num episódio que seja capaz de unir grandes e pequenos agricultores, nossa força é insuperável!

    0
  • Valdir Edemar Fries Itambé - PR

    Como que é mesmo??? A CNA apoia a emenda que isenta o produtor do emplacamento... Os deputados e senadores aprovam o projeto isentando... A Presidente Dilma Rousseff ... VETA... Depois a Presidente da CNA aprova o VETO derrubando a LEI...

    A CNA pode até estar "APOIANDO" a EMENDA que deve isentar os produtores, Porém a CNA não esta participando da mobilização dos produtores rurais... Todos lembram quando da derrubada do VETO...

    Portanto esta nota da CNA anexada/vinculada às imagens do PROTESTO organizada de forma voluntária por parte de cada um dos produtores rurais que participaram não condiz com o que acontece na prática... Conforme muitos produtores rurais de todo o País tem manifestado aqui neste espaço do fala produtor... faço uso das palavras dos amigos aqui já registrado desde a Presidente da CNA se aliou a este Governo que aí esta usando de todas as formas para tentar implantar e cobrar mais um imposto dos produtores rurais ... Portanto "KATIA ABREU NÃO NOS REPRESENTA".

    0