Helicoverpa armigera continua no foco do Mapa

Publicado em 16/02/2015 16:20
75 exibições

Alagoas, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Maranhão e Mato Grosso são os estados que estão na condição de emergência fitossanitária para a Helicoverpa armigera. Eles fazem parte do plano de supressão da praga e são orientados a adotar uma série de medidas coordenadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) , descritas na portaria 1.109, publicada em 2013 para auxiliar no combate à praga.
Cinco destes estados tiveram a situação de emergência renovada recentemente com o objetivo de dar maior segurança ao agricultor.  Uma das decisões traçadas no plano e que traz benefício ao produtor é a autorização emergencial temporária para importação de produtos agrotóxicos que tenham como ingrediente ativo a substância Benzoato de Emamectina para fins de contenção da Helicoverpa armigera. 

Ainda nesse sentido, no ano passado, a Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) publicou o ato nº 60, que estabeleceu prioridades para os registros de agrotóxicos capazes de combater a praga. Outras medidas adotadas pelo Mapa envolvem a liberação inundativa de agentes de controle biológico; o uso de cultivares que restrinjam ou eliminem as populações da praga e o vazio sanitário para deixar a terra sem cultivo com períodos livres de hospedeiros.

Ação – Dentre as medidas que o ministério adotou para o controle da lagarta foi a instituição do Grupo de Gerenciamento Situacional da Emergência Fitossanitária, com o objetivo de identificar, propor e articular a implementação de ações emergenciais, ágeis e eficazes para contenção da praga, a fim de assegurar o completo restabelecimento da normalidade produtiva. 
Na página do Mapa na internet, há uma série de informações sobre o assunto que pode ser conferida clicando aqui

Na cartilha “Como combater a Helicoverpa armigera”, o ministério detalha orientações para o agricultor. No texto, aconselha-se, por exemplo, a adoção de manejo integrado de pragas emergencial: “Integração de diferentes tecnologias de controle, mediante identificação das pragas mais importantes, monitoramento, estudo de fatores climáticos, avaliação do desenvolvimento das plantas e danos observados”, diz o documento.

Também recomenda-se efetuar a semeadura das culturas do milho, soja e algodão no menor espaço de tempo possível para obter uma janela de semeadura menor. Esse tipo de ação reduz o período de disponibilidade de alimento para a praga. 

A Helicoverpa armigera, identificada em 2012 no Brasil,  é uma praga polífaga que causa danos a diferentes culturas de importância econômica, como o algodão, sorgo, milho, tomate, soja e as frutíferas.  e foi identificada em 2012 no Brasil. Na safra 2012/2013 de grãos e fibras cultivados no oeste da Bahia, as perdas econômicas, derivadas da ação da praga, foram estimadas em 2 bilhões de reais.

Tags:
Fonte: Mapa

Nenhum comentário