Desvalorização do real deu fôlego às exportações brasileiras no 1º trimestre: café e farelo de soja lideram vendas externas

Publicado em 01/04/2015 19:03
249 exibições

Brasília (01/04/2015) - As exportações brasileiras somaram US$ 42,8 bilhões no primeiro trimestre de 2015, queda de 13,7% na comparação com o mesmo período de 2014. Os dados foram apresentados nesta quarta-feira (1/4), pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Mesmo com uma queda de 13,2% nas importações (US$ 48,3 bilhões), o saldo comercial brasileiro para os três primeiros meses do ano fechou com déficit de U$$ 5,6 bilhões. No entanto, a desvalorização do Real frente ao dólar pode ter dado fôlego às exportações, contribuindo para uma diminuição no déficit em 2015, se comparado com o 1º trimestre de 2014, que teve saldo negativo de US$ 6,1 bilhões.

A grande queda (43% pela média diária) das exportações de soja em grão, na comparação entre o 1º trimestre deste ano e o mesmo período de 2014, é explicada pelas adversidades climáticas, pelo atraso da colheita e pela greve dos caminhoneiros no mês de março. Em pleno período de colheita, estes fatores dificultaram a chegada da soja aos portos. No primeiro trimestre, o Brasil exportou US$ 2,6 bilhões do produto. Além disso, os grandes compradores de soja, como a China, temendo atraso da entrega do produto, buscaram mercados alternativos, como os estoques remanescentes dos EUA, diminuindo ainda mais as exportações brasileiras.

Em contrapartida, o farelo de soja foi destaque nos embarques no primeiro trimestre de 2015. Com um valor exportado de US$ 1,3 bilhão, crescimento de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado, as exportações não sofreram com a greve dos caminhoneiros, em razão dos estoques do produto nos portos. O café foi o carro-chefe da balança comercial brasileira para o 1º trimestre, com exportações que atingiram o valor de US$ 1,6 bilhão, crescimento de 40,4%, em relação aos primeiros três meses de 2014. A desvalorização do Real vem permitindo excelentes ganhos para o produtor brasileiro, o principal exportador do grão no mercado mundial.

Assim como o café, a desvalorização do Real melhorou a margem dos produtores de açúcar e impulsionou as exportações do produto refinado, que apresentou aumento de 2,4%. Apesar da queda dos preços, os produtores aproveitaram o dólar valorizado para venderem seus estoques, que continuam em alta. Espera-se que, em abril, com o início da nova safra de cana-de-açúcar, o volume de exportação deste item volte a aumentar. A China, importante comprador de açúcar, tem aproveitado a política de subsídios tailandesa e a proximidade com o país vizinho para adquirir o açúcar, o que pode influenciar negativamente as exportações brasileiras.

Produtos como fumo em folhas continuam a ganhar espaço na pauta de exportação brasileira. Com um crescimento de 43,1%, o produto alcançou receita de US$ 444 milhões no 1º trimestre.

Tags:
Fonte: CNA

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    O saldo da balança comercial melhorou porque as importações caíram quase 20%... O café é um exemplo, pois, no primeiro trimestre, registrou queda de quase U$ 30,00 no contrato C. Aqui mesmo, no Noticias Agricolas vários analistas falaram sobre os motivos da queda em NY, e um desses motivos foi a desvalorização cambial, ou seja, o preço do café (para os produtores brasileiros) não foi beneficiado com a desvalorização do real.... O que impressiona é o dado de aumento de 40% nos volumes exportados e preços pressionados no mercado interno...
    Segundo a CNA, houve aumento dos volumes exportados no farelo de soja e fumo, o que segundo Liones Severo, no caso do farelo, vem com demanda forte há bastante tempo. No caso do fumo, não foram apresentados dados que confirmem que o aumento da exportação se deve à desvalorização cambial.
    Aqui alguns preços do mês de março, dados da Empiricus: Café: -12,6%
    Açúcar: -10,3%
    Suco de laranja: -9,4%
    Cacau: -2,0%
    Um comunicado cheio de erros primários esse da CNA...., se é proposital ou não, difícil dizer.

    0
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sob o olhar de um matuto! Neste 1º de Abril, não deixa de ser um dia próprio para tal noticia, circulou na mídia impressa essa informação: A Camex (Câmara de Comércio Exterior), órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento (Mdic), zerou as alíquotas de Imposto de Importação de cápsulas de cafés e de máquinas cafeteiras domésticas que operam especificamente a partir dessas cápsulas; cujas alíquotas eram de 10% e 20% respectivamente. Segundo a noticia, a Camex informou que essa redução faz parte de um conjunto de medidas para a criação de mercado e atração de investimentos no país para fabricação de produtos de maior valor agregado. Onde está a lógica? Você tem imposto ZERO para trazer um produto. Quais impostos incidem se o mesmo for fabricado aqui? Quem é mesmo o beneficiado com essa medida? SERÁ A NESTLE !!!

      0