Fatores estruturais distanciam produtor rural do crédito ecológico

Publicado em 07/07/2017 16:34
136 exibições

Falta de mecanismos eficazes de comunicação do Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) e o fato das taxas de juros do Programa não apresentarem diferencial competitivo estão entre os fatores estruturais para que os agricultores não recorram ao Programa ABC. Esses dados fazem parte do estudo Desafios e restrições dos produtores rurais na adoção de tecnologias de baixo carbono – Estudo de caso em Alta Floresta, em Mato Grosso, do Observatório ABC, coordenado pelo pesquisador Evandro Jacóia Faulin.

Os fatores de impacto estruturais relacionados à oferta de crédito do Programa englobam desde os elementos mais amplos – como regras e normas que regem o sistema de crédito rural no país – até outros mais específicos – como processo interno das instituições financeiras, documentação, entre outros. De acordo com o estudo, os produtores rurais sentem carência de canais e iniciativas que atinjam, de fato, o público-alvo de forma a transmitir os objetivos, as características, as finalidades e os benefícios do Programa ABC, bem como veem a importância de uma abordagem mais educativa.

Dessa forma, o estudo aponta que o desafio consiste na criação de canais e mecanismos de comunicação eficazes, orientados aos produtores locais e que considerem os aspectos culturais observados na maioria dos produtores do município. Somente assim, o Programa ABC será conhecido de maneira mais ampla, de forma a demonstrar sua aplicabilidade, e apoiará o aumento da procura dessa alternativa de crédito rural.

Taxa de juros

Quanto à taxa de juros, quando o Programa ABC foi criado, apresentava como diferencial competitivo as baixas taxas de juros, em 5,5% ao ano (a.a.). Contudo, essa taxa evoluiu gradativamente para o patamar de 8 a 8,5% a.a – praticado atualmente na safra 2016/2017, que está se encerrando. De forma comparativa, o Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) ainda se apresenta como a opção mais competitiva para produtores rurais familiares e de pequeno porte: as linhas de crédito (custeio ou investimento) apresentam taxas de juros entre 2,5% a.a. e 5,5% a.a., dependendo do valor da operação.

Leia a íntegra no Blog Ambiente Inteiro

Tags:
Fonte: Blog Ambiente Inteiro

Nenhum comentário