Bunge se posiciona sobre compra de soja em áreas desmatadas no Cerrado em 2020

Publicado em 30/03/2021 14:15 e atualizado em 31/03/2021 10:27 1633 exibições

A Bunge não teve acesso prévio ao estudo para verificar as fontes ou a metodologia utilizada. Porém, os números não correspondem à realidade das compras da companhia na região do Cerrado.

Por meio de nossa política Global de Não-Desflorestamento, a Bunge está comprometida em alcançar cadeias de fornecimento livres de desmatamento até 2025. Esse é o compromisso mais ambicioso nesta escala em nosso setor e nós vamos continuar a usar nossa posição de mercado para liderar o progresso da indústria nessa direção. Esse compromisso se estende a todas as regiões onde nós operamos, incluindo fornecimento direto e indireto.

A Bunge não compra soja de áreas desmatadas ilegalmente e tem o monitoramento mais extensivo no Cerrado — 8.000 fazendas, alcançando mais de 11,6 milhões de hectares (28,6 milhões de acres), que correspondem por 96% da soja comprada diretamente naquela região. Nosso monitoramento usa tecnologia de satélite de última geração e é capaz de identificar mudanças no uso da terra e plantio de soja em cada fazenda de onde originamos. Além disso, nós temos 100% de rastreabilidade nessas fazendas.

No início de março, a companhia lançou o Parceria Sustentável Bunge, um programa sem precedentes que vai ajudar as revendas de grãos a implementar sistemas de verificação de cadeias de fornecimento, incluindo satélite e imagens na escala das fazendas. As revendas podem adotar serviços de imagem ou usar a estrutura de monitoramento geoespacial da Bunge sem nenhum custo. Com o engajamento das revendas, a Bunge, que já rastreia e monitora 30% de suas compras indiretas no Cerrado, espera alcançar 100% até 2025.

Embora nosso compromisso inclua um prazo estabelecido para 2025, alguns produtores já não estão em nossa cadeia de fornecimento, como apresentado em nossos relatórios de progresso divulgados publicamente. A Bunge reconhece o importante papel que pode desempenhar, mas acredita que qualquer solução duradoura e escalável vai demandar participação e engajamento com nossos parceiros ao longo da cadeia de fornecimento, de produtores a clientes, com compensação aos produtores que no fim das contas terão que abdicar de seu direito de produzir na terra que possuem e preservam. Esse é o motivo pelo qual nós trabalhamos por meio de associações, e iniciativas como o Soft Commodities Forum, e em parcerias indiretas com nossos pares na cadeia de fornecimento para garantir sucesso em toda a indústria. A Bunge continuará trabalhando para promover as melhores práticas de mercado e para desenvolver modelos práticos e sustentáveis. Isso é parte de nossa estratégia, e nós vamos continuar comprometidos com essa jornada.

Leia Mais:

+ SLC Agrícola informa que não vai fazer a abertura de novas áreas para a produção agrícola

Na Reuters: Bunge comprou soja dos maiores desmatadores do Cerrado em 2020, diz relatório

LOGO REUTERS

Por Jake Spring

BRASÍLIA (Reuters) - A trading e processadora de commodities agrícolas Bunge comprou soja de fazendas responsáveis ​​pelo desflorestamento no Cerrado, em 2020, de uma área duas vezes maior que Manhattan, apontou um relatório nesta terça-feira.

A produtora de grãos e oleaginosas SLC Agrícola, que vende para a Bunge e outras tradings, foi a responsável pela maior parte do desmatamento.

A empresa desflorestou 101,5 km quadrados, de acordo com uma análise da Chain Reaction Research, um consórcio de organizações não governamentais.

A Bunge e a SLC Agrícola, que de acordo com o relatório lideram os rankings entre tradings e produtores, respectivamente, disseram que o desmatamento não foi ilegal. A SLC aparece no levantamento como responsável por desflorestamento que supera todas as outras companhias.

O Cerrado, que faz fronteira com a floresta amazônica e ocupa quase um quarto do território brasileiro, captura grandes quantidades de gases causadores do efeito estufa.

Aproximadamente metade do Cerrado foi desmatado até agora, principalmente para dar lugar a cultivos de soja, milho e pecuária, entre outros produtos agrícolas.

Enquanto o desmatamento na Amazônia é estritamente limitado a 20% da propriedade dos agricultores, os produtores em algumas áreas do Cerrado podem desflorestar até 80% de suas terras legalmente.

O relatório da Chain Reaction Research analisou os principais agricultores e empresas agrícolas comerciais vinculadas a esse desmatamento legal no Cerrado.

"O desmatamento ilegal e o desmatamento legal têm exatamente o mesmo impacto --ambos têm impacto sobre as mudanças climáticas", disse Gerard Rijk, analista da organização sem fins lucrativos holandesa Profundo, membro do consórcio.

"A indústria de consumo veloz e os supermercados estão cada vez mais focados em todo o desmatamento", acrescentou.

A Bunge foi de longe a líder em compras de produtores que mais desmataram, com seus fornecedores responsáveis ​​por 131,5 km quadrados desmatados em 2020.

A Cargill, em segundo lugar, teve quase 12 vezes menos compras associadas a desmatamento em 2020 do que a Bunge.

A Bunge disse em comunicado que não compra soja de áreas desmatadas ilegalmente no Cerrado e está trabalhando para eliminar todo o desmatamento de suas cadeias produtivas até 2025.

A empresa disse que possui monitoramento extensivo do desmatamento em cerca de 8 mil fazendas que respondem por 96% de suas compras na região.

Uma porta-voz da Cargill disse que a empresa está empenhada em acabar com o desmatamento em suas cadeias de abastecimento até 2030, incluindo as liberações legais, e está trabalhando para acelerar esses esforços.

O relatório da Chain Reaction Research é baseado em dados oficiais de desmatamento do governo brasileiro, registros públicos e informações divulgadas pelas empresas, mas pode não capturar todas as relações entre as empresas de "trading" e agricultores que desmatam.

O período utilizado nesses dados do governo para mensurar o desmatamento vai de agosto de 2019 a julho de 2020.

A SLC Agrícola, listada na bolsa de São Paulo, que opera principalmente fazendas no Cerrado, confirmou que desflorestou 110 km quadrados em 2020.

A empresa planeja acabar com todo o desmatamento até o final da safra 2020/2021, que termina em agosto, com cerca de 16 km quadrados restantes para serem abertos.

Todo o desmatamento foi feito legalmente, disse a empresa em um comunicado.

A SLC cultivou áreas totalizando 468.200 hectares na safra 2020/2021, de acordo com seu balanço do quarto trimestre. A empresa disse à Reuters que preservou 33% de suas terras, excedendo a exigência legal.

Tags:
Fonte:
Bunge

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário